8 coisas que você precisa saber sobre o teste de HIV

1 – O teste rápido de HIV não dói.
O teste rápido para HIV é praticamente indolor. Ele pode ser feito, inclusive, com fluído oral, em vez de sangue, em vários serviços de saúde.
Figura1

2 – É rápido mesmo.
Não é à toa que se chama teste rápido. O resultado demora, em média, meia hora para ficar pronto. Quase o tempo de uma rapidinha.
imagem_2

3 – Também não dói no bolso.
Sim, o teste é 0800 total. Você pode fazer o teste gratuitamente em qualquer serviço público de saúde especializado, ou seja, os CRT (Centro de Referência e Tratamento de DST); CTA (Centro de Testagem e Aconselhamento) e os SAE (Serviço de Assistência Especializada em HIV/Aids). Além disso, você pode incluir o teste de HIV no pedido de exames de rotina ao seu médico. E fique atento, você pode encontrar em vários pontos das cidades unidades móveis oferecendo o teste gratuitamente.
imagem_3

4 -Não é preciso contar pra todo mundo!
O teste de HIV é realizado individualmente e de modo a preservar total privacidade à pessoa. O resultado é sigiloso e somente será entregue e comentado com o paciente.
imagem4

5 – Um teste de HIV não vale pra vida toda.
Então [email protected], é preciso repetir o teste sempre que você se expor ao risco de infecção.
imagem5

6 – Não adianta fazer o teste logo depois de ter se exposto ao risco.
Há um intervalo de pelo menos 30 dias entre a infecção pelo HIV e a produção de anticorpos no sangue, que são detectados no teste. É o que chamam de janela imunológica. Por isso, caso tenha se exposto ao risco, a pessoa precisa esperar essa janela para fazer o teste e saber se foi infectada.
imagem6

7 – Mas calma, não se desespera!
Ao se expor ao risco de infecção, você tem até 72h para procurar um serviço de saúde, aqueles especializados, e iniciar o tratamento com antirretroviral por 28 dias. É o que chamamos de PEP (profilaxia pós-exposição), que diminui muito o risco de o vírus se desenvolver no seu organismo. Quanto mais rápido iniciar o tratamento, melhor!
imagem7

8 – Fazer o teste também é uma forma de prevenção.
Isso mesmo. Quanto mais gente fizer o teste e souber a sua sorologia, mais rapidamente as pessoas que forem positivas vão poder iniciar o tratamento com antirretroviral. Ao fazer corretamente o tratamento, a tendência é que a carga viral, ou seja, a quantidade de cópias do vírus que a pessoa tem no corpo, diminua drasticamente e fique indetectável. E a pessoa soropositiva que tem carga viral indetectável não transmite mais o vírus. Assim, a gente previne novas infecções.
bravo




Você pode gostar também

Saúde

Cientistas dos Estados Unidos e do Brasil se unem para combater avanço do Zika

Os Estados Unidos estão ampliando uma agenda positiva de colaboração com entidades científicas brasileiras com o objetivo de combater o avanço do vírus Zika em todo o mundo, informou o

Saúde

Campanha em redes sociais ajuda a aumentar cadastro de doadores de medula óssea

De janeiro a junho deste ano, 3.950 pessoas no Distrito Federal já haviam se cadastrado como no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome). O número ganhou força após

Saúde

Pesquisa inédita faz uma radiografia sobre o câncer de pulmão e revela que o brasileiro não fala sobre a doença com seu médico

76% das pessoas nunca falaram com seu médico sobre o câncer de pulmão. Esse é um dos principais resultados da pesquisa encomendada pela biofarmacêutica Bristol-Myers Squibb com exclusividade para o

Deixe seu comentário