Aberta em São Paulo primeira mostra individual de Jiří Kolář no Brasil

O Instituto Tomie Otake sedia, em São Paulo, até 2 de abril, a primeira exposição individual no Brasil do poeta, escritor, tradutor e artista plástico Ji í Kolá . As 70 obras do tcheco, falecido em 2002, fazem parte da coleção Museu Kampa, de Praga. Os trabalhos representam a produção do artista anterior a 1977, quando emigrou para Berlim Oriental.

Na ocasião, Kolá deixava o país para estudar na Alemanha após ter sido um dos signatários da Carta 77, documento que acusava o regime totalitário da Tchecoslováquia de abusos e violações de direitos. Todos os trabalhos do artista foram confiscados pelo governo e só voltaram a ser expostos após a queda do comunismo, nos anos 1990.

Nos anos 1960 e 1970, Kolá havia trabalhado com as chamadas anticollages, em que são feitas a remoção do elemento principal de uma imagem e a silhueta é explorada com outros elementos. A produção desta fase também é marcada pelo protesto contra práticas ditatoriais em seu país.

Colagem e poesia
O artista começou a desenvolver as obras com colagem nos anos 1930. No entanto, durante vários anos, ele dedicou mais à poesia. A literatura, por outro lado, influenciou o seu trabalho nas artes visuais, que ganhou continuidade na década de 1940, com princípios como a sobreposição de temas e o ritmo de composição.

Explorou, ainda, diversas técnicas, como a que chamou de stratifie, quando cortava papéis coloridos com bisturi para formar imagens. Trabalhou com reproduções de livros, mapas e manuscritos para criar padrões e composições. Algumas vezes, associava a colagem à xilogravura.

Kolá chegou a ter obras vistas no Brasil na exposição coletiva Além dos Preceitos, no Paço Imperial (Rio de Janeiro) e no Museu de Arte Moderna de São Paulo, em 2001 e 2002.




Você pode gostar também

Variedades

Mostra une fotografia e poesia em narrativa simbólica do homem contemporâneo

Fotografia e poesia se unem em uma exposição que integra a programação da edição 2015 do Foto Rio, grande evento anual da arte fotográfica no Rio de Janeiro. A mostra

Variedades

Bebê cai no choro toda vez que livro acaba

Um bebê protagoniza uma cena inusitada. Toda vez que a mãe termina de ler para ele um livro infantil, o bebê fica inconsolável e começa a chorar. Nas imagens, o

Variedades

Exposição oferece ao público diferentes abordagens sobre as contribuições de Picasso e seus contemporâneos

[vc_row][vc_column][vc_column_text]Rio de Janeiro- RJ, Brasil- Mostra reúne 90 obras de Picasso, vindas do Museo Nacional Reina Sofía, em Madri. A exposição oferece ao público diferentes abordagens sobre as contribuições de

Deixe seu comentário