Áh, mas ela procurou…

Nesses últimos dias assistimos, estarrecidos, as notícias sobre a adolescente estuprada por cerca de 30 homens no Rio de Janeiro.

De início pensei que o estupro, a violência, o trauma e ter tido sua imagem exposta em redes sociais seria o pior que ela passaria…ledo engano, absurdamente vimos comentários culpando seus comportamentos ‘inadequados‘, suas más companhias, o fato de ser usuária de drogas (?), de ter um filho, como justificativas para o que os 30 homens fizeram com ela.

Ainda temos muito a evoluir no que tange ao respeito à mulher… ainda não entendemos que apesar das roupas, da bebedeira, dos comportamentos inadequados, quando uma mulher diz não, é não mesmo e nada pode justificar a violência do estupro. Sim, estupro. Violência sexual e crime.

Estamos tão acostumados a essa violência, que custamos a entender que dizer que uma menina/adolescente de 15 ou 16 anos quis ter relações sexuais com um adulto é abuso sexual também, isto é: crime contra a mulher e contra a infância e adolescência.

O abuso sexual, a violência contra a mulher começa naquela cantada ‘ousada‘, naquela passada de mão ou naquela encostada ‘sem querer‘ em uma fila, ônibus e etc e termina no ato sexual violento e forçado, propriamente dito.

Quando falamos em abuso, em sexo forçado, não falamos apenas em satisfação do desejo sexual do homem, a qualquer custo, o que já seria por si só alarmante e preocupante. Falamos também em poder, na afirmação do poder pelo homem que abusa. Na crença de uma superioridade e de um poder de satisfação de suas vontades, à custa da ‘menos importante‘, da mulher e de seu desejo.

Precisamos discutir amplamente essa sobreposição de poder, essa idéia de que a vontade do homem prevalece sempre. Precisamos ensinar nossas crianças a respeitarem-se mutuamente. A respeitarem os nãos que disserem. A conviverem de maneira igualitária e pacífica, tendo o respeito como a base dos relacionamentos.

Você pode gostar também

Sophia Rodovalho

E se aproxima mais e mais o Natal

“Se o papai Noel ainda não chegou, aguarde-me. Brindarei com você as festividades do Natal, dividindo com todos as melhores cantigas de amor na celebração do Nosso Salvador.” Erasmo Shallkytton

Sophia Rodovalho

Se pode existir uma pior parte no BULLYING na escola, segue uma reflexão desnuda

Muito já foi dito e explicado sobre a prática do bullying, entretanto, vale começar a reflexão lembrando que ele é definido pela prática de atos violentos, intencionais e repetidos, contra

Sophia Rodovalho

A vida e sua característica mais difícil: ser efêmera

“O trágico choca porque ele vem jogar na nossa cara que a morte chega, não tem hora, não tem lugar, não tem preferência, não tem circunstância específica… Ela pode chegar

Deixe seu comentário