Alunos aprendem na escola princípios da cultura do mel

Fotos: Adilson Silveira

Fotos: Adilson Silveira


Eles são pequenos e fofos, mas nem por isso menos interessados. Os 108 alunos de quatro e cinco anos da Emeief Isaura Gaiza do Amaral Penteado, que fica na Rodovia Limeira-Piracicaba, Km 7, criam abelhas jataí no pátio da escola. O projeto é desenvolvido em parceria com o Meliponário Navarro, que foi convidado pela professora Márcia Cristina Rodrigues de Oliveira para propiciar aos alunos atividades típicas da zona rural, já que a escola fica numa região intermediária entre as áreas urbana e rural.

O meliponicultor Cláudio Navarro ministrou palestras para as crianças sobre a importância das abelhas no equilíbrio biológico e implantou uma colmeia na área da horta da escola. “Essas abelhas não tem ferrão e não são agressivas, como as abelhas europeias e africanas, chamadas apis”, diz Navarro.

A diretora da unidade, Silvana Alves Melo, disse que as crianças ficaram empolgadas e curiosas, sendo que muitas delas nunca tinham experimentado mel e nem sabiam como era produzido. “Ele (Navarro) trouxe o mel, colmeias, geleia real e diversos instrumentos para demonstrar às crianças como as abelhas se organizam”, diz Telma Eliza de Moraes Corte, vice-diretora.

O trabalho vem sendo acompanhado pela Secretaria de Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente e pela coordenadora da área de Ciências e Educação Ambiental da Secretaria de Educação, Adriana Cristina Muller Del Mondo.

Como inovação o projeto leva as crianças o conhecimento prático e crítico, por meio de atividades interdisciplinares reunindo todas as áreas do conhecimento, enriquecendo a vida das crianças e de seus familiares. O projeto será desenvolvido durante todo ano, propiciando o acompanhamento do desenvolvimento da colmeia até a colheita do mel.

Apesar das atividades ainda estarem começando, já mexeram com o cotidiano das crianças, como Júlia Santos que aos cinco anos fala das abelhas como parceiras e não tem medo da colmeia de jatais. “Eu tinha medo de picada, mas agora não tenho mais”, diz ela. Já Levi Brás Neves, também de cinco anos, diz que o melhor é mesmo o mel, além disso que as abelhas ‘botam’ ovo e seguem a rainha. O estudante Gustavo Henrique Defante é enfático sobre a importância das abelhas. “As abelhas buscam o pólen nas flores e produzem o mel que deixa a gente forte. Eu já comi mel e gostei”, diz Gustavo.

Espécies
No mundo existem aproximadamente 400 espécies de abelhas consideradas sem ferrão, ou seja, que não picam, sendo que 300 delas estão no Brasil. Contudo, a sociedade ainda conhece muito pouco sobre as abelhas, sua organização e função ecológica. Em Estados do Nordeste do Brasil, essa relação é mais próxima e as crianças aprendem as técnicas de criação de abelhas e controles de colmeia com os pais, o que permite gerar renda, preservar as abelhas e utilizar o mel como alimento, uma fonte rica de potássio, magnésio, sódio, cálcio, fósforo, ferro, manganês, cobalto, cobre e alguns outros minerais.

Você pode gostar também

Limeira

Seguem abertas inscrições para apresentação da Jucesp em Limeira

Os interessados em participar da apresentação dos dois novos sistemas informatizados da Junta Comercial do Estado de São Paulo (Jucesp) ainda podem se inscrever. O evento é voltado a advogados,

Limeira

Campanha do Agasalho recolhe doações nos bairros

Nem mesmo o frio e os chuviscos ocasionais, deste sábado, 21 de maio, impediram os voluntários da Campanha do Agasalho 2016, de ir as ruas para recolher as doações dos

Limeira

Peca inicia atendimentos para 800 pacientes

Começou nesta quinta-feira (26), o trabalho da Comissão do Programa Expedições Científicas e Assistenciais (Peca), da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, em parceria com a

Deixe seu comentário