Brasil eleva em 9,5% comércio com EUA, mas diminui com outros países

Brasil eleva em 9,5% comércio com EUA, mas diminui com outros países

As exportações brasileiras para os Estados Unidos cresceram 9,5% em agosto deste ano, na comparação com o mesmo período de 2018. Já as importações de produtos daquele país aumentaram 27,9%. Ao mesmo tempo, o comércio com os outros parceiros importantes (China, Argentina e União Europeia) teve queda.

Os dados foram divulgados hoje (16), no Rio de Janeiro, pela Fundação Getulio Vargas (FGV) e mostram que as exportações brasileiras para a Argentina recuaram 38,9% no mês. As vendas para a China caíram 17,1%, enquanto o volume exportado para a União Europeia recuou 7%.

Considerando-se todos os países, a corrente de comércio do país, ou seja, a soma das exportações e importações, caiu 15% entre agosto de 2018 e agosto de 2019. Os valores exportados pelo Brasil, considerando o volume de exportação mais o preço cobrado por esses produtos e serviços, recuaram 13%. O valor dos importados caiu 17%.

Segundo nota da pela FGV, isso pode ser explicado pela “desaceleração no comércio mundial e o baixo nível da atividade brasileira”.

Em termos de volume, as exportações e importações tiveram a mesma queda (-13%), mas os preços dos bens importados recuaram mais do que os preços dos exportados. Em agosto, todos os setores tiveram queda no volume exportado, com destaque para a indústria de transformação.

Você pode gostar também

Limeira

A Tocha Olímpica passou por Limeira nesta quarta

A Tocha Olímpica passou por Limeira nesta quarta-feira (20) e agora segue para Americana e Campinas. O fogo olímpico começou seu trajeto pelo Brasil no dia 3 de maio em

Limeira

Vendas para o Dia dos Namorados têm expectativa de alta de 1,9%

A expectativa do comércio para as vendas relacionadas ao Dia dos Namorados, comemorado no Brasil no dia 12 de junho, é de alta de 1,9%, na comparação com o ano

Limeira

Privatização da Eletrobras não prevê “ação de ouro”, diz ministro

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, disse hoje (22) que a proposta do governo de privatização da Eletrobras não prevê a chamada “ação de ouro” (ou golden share,

Deixe seu comentário