CNJ lança Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento

CNJ lança Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) lançou hoje (15) o Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento. A ferramenta auxilia juízes de varas da infância em todo o país na condução de processos de adoção. O programa deve começar a funcionar em outubro.

O novo sistema concentra informações de instituições de acolhimento de crianças e adolescentes abrigados em todo o país e é oriundo da junção do Cadastro Nacional de Adoção (CNA) e do Cadastro de Crianças Acolhidas, que já existiam.

Com a nova versão, a busca de pretendentes para crianças aptas a adoção será feita de forma automática, conforme as regras do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). O programa também emitirá alertas de cumprimento dos prazos processuais das adoções e comunicará aos interessados na adoção sobre atualizações de cadastro.

De acordo com o presidente do CNJ, ministro Dias Toffoli, o Sistema Nacional de Adoção pretende agilizar a reintegração familiar das crianças que estão em abrigos.

“Além disso, contribuirá para otimizar a adoção de 4.900 crianças aptas e que permanecem acolhidas, apesar da existência de 42 mil pretendentes habilitados no cadastro”, disse.

Você pode gostar também

Limeira

Feriado: Sistema Anhanguera-Bandeirantes deve receber 700 mil veículos

Durante o feriado prolongado de Nossa Senhora Aparecida, a CCR AutoBAn espera a circulação no Sistema Anhanguera-Bandeirantes de aproximadamente 700 mil veículos, entre saída e chegada à Capital, entre hoje,

Limeira

Intervias faz campanha em Limeira sobre a importância da travessia segura

Nesta terça-feira (24), Limeira recebeu as campanhas “Viva Ciclista” e “Passarela Viva”, desenvolvidas pela área de educação da Intervias, com o objetivo de prevenir acidentes, principalmente o atropelamento, orientando para

Limeira

STF adia decisão sobre necessidade de aviso prévio para manifestações

Com cinco votos a favor de ser desnecessário aviso prévio às autoridades para a licitude de manifestações públicas, o julgamento sobre o assunto teve seu fim adiado mais uma vez

Deixe seu comentário