Como lidar com a ansiedade, quando ela aparece?

Vivemos em um mundo cheio de tensão, correria, prazos e cobranças. O stress envolvido em tudo isso é grande. Somos cobrados por nosso desempenho, por acertar sempre, por estarmos sempre belos e adequados em nossas falas e posicionamentos, por apresentarmos um discurso politicamente correto e adequado. Não ficarmos nunca com raiva (pelo menos não devemos demonstrar), não podemos ter medo e ficar doente jamais.

Todo este cenário causa em nós uma ansiedade crescente, pois, na verdade, muitas das exigências são surreais e inatingíveis. Como assim acertar sempre? Seria possível? Não, claro! Não podemos ter raiva, medo, ficar doentes, não podemos ser gente, em resumo!

É o mundo de hoje é cruel e exigente demais. E temos de nos adaptar, não há como fugirmos de tudo isso.

Essa adaptação gera uma ansiedade incrível. Ansiedade, por isso foi corretamente chamada de o mal do século.

Mas o que é ela, afinal? O termo “ansiedade” tem várias definições nos dicionários não técnicos: aflição, angústia, perturbação do espírito causada pela incerteza, relação com qualquer contexto de perigo, entre outros.

Levando-se em conta o aspecto técnico, devemos entender ansiedade como um fenômeno que ora nos beneficia, ora nos prejudica, dependendo das circunstâncias ou intensidade, e que tornar-se patológico, isto é, prejudicial ao nosso funcionamento psíquico (mental) e somático (corporal).

A ansiedade estimula o indivíduo a entrar em ação, porém, em excesso, faz exatamente o contrário, impedindo reações.

A pessoa pode se sentir ansiosa a maior parte do tempo sem nenhuma razão aparente ou pode ter ansiedade apenas às vezes, mas tão intensamente que se sentirá imobilizada. A sensação de ansiedade pode ser tão desconfortável que, para evitá-la, as pessoas deixam de fazer coisas simples (como usar o elevador) por causa do desconforto que sentem.

São sintomas claros de ansiedade:
• Preocupações, tensões ou medos exagerados (a pessoa não consegue relaxar)
• Sensação contínua de que um desastre ou algo muito ruim vai acontecer
• Preocupações exageradas com saúde, dinheiro, família ou trabalho
• Medo extremo de algum objeto ou situação em particular
• Medo exagerado de ser humilhado publicamente
• Falta de controle sobre pensamentos, imagens ou atitudes, que se repetem independentemente da vontade
• Pavor depois de uma situação muito difícil.

E o que fazer quando nos vemos imersos na ansiedade e em todo este sofrimento? O ideal é buscar ajuda especializada. Buscar a Psicoterapia é uma maneira de aprender a lidar com os sentimentos, com os pensamentos e com a ansiedade, controlando-a e diminuindo-a. Além disso, pode ser necessário consultar-se com um psiquiatra, para a inserção de medicamentos que reduzem a ansiedade e atuam de forma a minimizar os efeitos nocivos da mesma até que a pessoa comece a se conhecer melhor e comece a dominar sua ansiedade e controlar seus pensamentos e sentimentos.

O exercício físico (sempre orientado por um profissional) também auxilia no controle e redução da mesma.

Se você encontra-se passando por situações de ansiedade e apresenta tais sentimentos, não deixe de buscar ajuda. Cuide-se para que a vida possa ser mais leve e melhor aproveitada.

“A ansiedade e o medo envenenam o corpo e o espírito.” George Bernard Shaw

Você pode gostar também

Sophia Rodovalho

Mude ou não mude, mas tome a decisão!

Áh, o processo de mudança… Frequentemente escutamos: “Olha, se você for assertivo, dará certo.” ou “Comece a economizar.”, “Fale não.”, “Faça exercício.”, dentre outras. Se analisarmos cada frase, veremos que

Sophia Rodovalho

Dizer não: um ato de amor incondicional

A ideia para a coluna dessa semana surgiu de uma conversa com uma colega Psicóloga. Durante a conversa ela me dizia que precisávamos trabalhar no sentido de conscientizarmos os pais

Sophia Rodovalho

A importância do respeito ao outro

Vivemos tempos complexos, tempos de intolerância, tempos de verdades absolutas, tempos de certezas incontestáveis. Vivemos a era da intolerância e da bestialidade, aprender com o outro tornou-se sinônimo de fraqueza.

Deixe seu comentário