Consumo de carne processada eleva risco de câncer em 18%, aponta estudo da OMS

carne-processed-linked-diabetes-processada

A lista de produtos de carne processada que pode ser cancerígena inclui “salsichas, presunto, linguiças, biltong (um tipo de carne seca curada) ou beef jerky (carne salgada e dessecada), assim como carne enlatada e preparados e molhos com base em carne”.

Londres, 26 (AE) – O consumo de carne processada aumenta os riscos de se desenvolver câncer. O alerta foi feito por um estudo divulgado nesta segunda-feira, 26, pela Agência Internacional para Pesquisa do Câncer, órgão ligado à Organização Mundial da Saúde (OMS). Segundo o estudo, o consumo de 50 gramas de carne processada diariamente aumenta o risco de câncer no intestino grosso e reto em 18%.

O estudo mostra que a carne processada foi classificada como cancerígena por causa de “evidências suficientes em seres humanos de que o consumo provoca câncer colorretal”. O câncer colorretal atinge um segmento do intestino grosso, o cólon, e o reto.

O estudo cita ainda a carne vermelha como “provavelmente cancerígena com base em evidências limitadas”. A doença neste caso acometeria, além do intestino, o pâncreas e a próstata.

“Para os indivíduos, o risco de desenvolver câncer colorretal por causa do consumo de carne processada permanece pequeno, mas o risco aumenta com a quantidade de carne consumida”, diz o chefe do programa de monografias da entidade, Kurt Straif, em nota distribuída à imprensa. “Tendo em vista o grande número de pessoas que consomem carne processada, o impacto global sobre a incidência de câncer é de importância para a saúde pública.”

A pesquisa foi realizada por um grupo de estudos com 22 especialistas de dez países. Segundo a entidade ligada à OMS, o levantamento usou mais de 800 estudos que investigaram a associação de mais de uma dúzia de tipos de câncer com o consumo da carne vermelha e processada em diversos países.

Itens
A lista de produtos de carne processada que pode ser cancerígena inclui “salsichas, presunto, linguiças, biltong (um tipo de carne seca curada) ou beef jerky (carne salgada e dessecada), assim como carne enlatada e preparados e molhos com base em carne”.

O estudo diz que carne processada se refere a toda proteína que é transformada em métodos de “salga, secagem, fermentação, defumo ou outros processos para realçar o sabor ou melhorar a conservação”. A maioria dos produtos que leva o título de processado contém carne bovina ou suína, mas também podem conter “outros tipos de carne vermelhas, aves, vísceras ou subprodutos como o sangue”.

No material distribuído à imprensa, a OMS cita que “métodos de cozimento em alta temperatura podem gerar compostos que podem contribuir para o risco cancerígeno, mas seu papel ainda não está totalmente compreendido”. Além disso, a entidade lembra que esse tipo de consumo pode gerar outros riscos à saúde, como infecções.

Você pode gostar também

Saúde

Selo em produtos industrializados ajuda consumidor a escolher alimento saudável

Um selo com até cinco estrelas estampadas em embalagens de alimentos industrializados tornou-se um aliado do consumidor. Na Austrália, a iniciativa ajuda famílias a escolher melhor o que comer entre

Saúde

São Paulo inicia vacinação antecipada contra gripe H1N1

Começou hoje (4) a imunização contra a gripe H1N1 dos profissionais de saúde que trabalham em hospitais da região metropolitana de São Paulo. A ação faz parte da primeira etapa

Saúde

Zika: OMS declara emergência internacional em saúde pública

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou hoje (1º) situação de emergência em saúde pública de interesse internacional em razão do aumento de casos de infecção pelo vírus Zika identificados

Deixe seu comentário