Dia dos Namorados deve injetar R$ 11,5 bilhões na economia, estimam entidades

Dia dos Namorados deve injetar R$ 11,5 bilhões na economia, estimam entidades

As vendas para o Dia dos Namorados devem injetar R$ 11,5 bilhões na economia em todo o país, segundo levantamento feito pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). De acordo com a pesquisa, 61% dos brasileiros, cerca de 92 milhões de pessoas, presentearão alguém no próximo dia 12 de junho.

Segundo o levantamento, a maior parte dos consumidores não pretende aumentar os gastos com relação ao ano passado. Apenas 9% desses consumidores disseram que têm a intenção de gastar mais com os presentes. A maior parte (32%) planeja gastar a mesma quantia que em 2016, enquanto 24% pensam em diminuir. Os consumidores indecisos sobre o valor do presente são 16%.

A situação financeira ruim é a principal justificativa para 44% dos entrevistados que vão gastar menos no Dia dos Namorados deste ano, seguida de 37% que pretendem economizar, 25% devido ao aumento da inflação e da economia instável e 18% por causa de dívidas em atraso. Entre aqueles que pretendem aumentar os gastos na data, 56% querem comprar um presente melhor e 40% dizem que os presentes estão mais caros. Só 8% vão gastar mais porque tiveram melhoria na renda.

Os dados também mostram que 69% dos consumidores pretendem pagar à vista, sendo que em 56% das compras o pagamento será em dinheiro e 13% no cartão de débito. O cartão de crédito será usado por 24% dos entrevistados, seja em parcela única (9%) ou em várias parcelas (15%). Entre os que dividirão as compras, seja no cartão de crédito ou de loja, a média é de três prestações. O gasto médio deve ser de cerca de R$ 124,00, valor que aumenta para R$ 158 entre os entrevistados das classes A e B e diminui para R$ 114 entre as classes C, D e E.

“Em um momento em que as pessoas estão inseguras em seus empregos, comprar o presente à vista é uma boa alternativa para fugir do endividamento. O ideal é não abusar dos parcelamentos para evitar o comprometimento da renda com prestações”, disse a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

A maioria dos consumidores deve comprar apenas um único presente (87%). Metade dos consumidores ouvidos pela pesquisa (50%) acredita que os produtos este ano estão mais caros do que em 2016, sendo a crise econômica o principal motivo para a elevação dos preços (73%), seguido do fato de o Dia dos Namorados ser uma data comemorativa, o que consequentemente aumenta o preço dos presentes (18%). Por outro lado, 28% dos consumidores consideram que os presentes estão na mesma faixa de preço do ano passado e apenas 5% acreditam que os produtos estão mais baratos.

Endividamento

A pesquisa sinaliza que muitos dos consumidores que vão presentear estão com problemas financeiros: quase três em cada dez (26%) entre os que pretendem comprar presentes têm contas em atraso atualmente e 22% estão com o nome sujo. Além disto, 8% afirmam que deixarão de pagar alguma conta para poder presentear. Por outro lado, 78% dos entrevistados declararam que não têm o hábito de passar do limite e estourar o próprio orçamento com a data.

Os consumidores que afirmam ter a intenção de fazer pesquisa antes de comprar os presentes são 68%, dos quais a maioria são mulheres (75%). “Vale reforçar a importância deste comportamento responsável, tendo em vista que a inadimplência é prejudicial tanto para o consumidor, que tem seu acesso ao crédito limitado; quanto para o lojista, que deixa de receber por uma venda já concretizada. Sobretudo em momentos de recessão, o consumidor deve respeitar o tamanho do próprio bolso, fazendo pesquisas de preço e pagando as compras de preferência à vista”, recomenda Kawauti.

Preferidos

Segundo o levantamento, os presentes mais procurados por quem vai presentear serão as roupas (30%), perfumes, cosméticos e maquiagem (18%), calçados (11%), acessórios como cinto, óculos e bolsas (9%), flores (7%), bombons e chocolates (5%), jantares (4%) e celulares e smartphones (3%). Os presentes que as pessoas mais gostariam de receber ficam na mesma ordem: roupas (23%), perfumes (15%), calçados (10%) e acessórios (9%).

Os shopping centers estão no destaque como os principais locais de compras, com a preferência de 32% dos entrevistados. As lojas de rua (22%), shoppings populares (10%), lojas de departamento (7%) e lojas online (4%) aparecem em seguida. Para escolher o local, os fatores mais decisivos são o preço (56%), a qualidade dos produtos ofertados (37%) e as promoções e descontos (32%). Cerca de 36% pretendem fazer as compras de última hora.

A maior parte dos entrevistados (37%) pretende comemorar a data em sua própria casa. A comemoração em restaurantes foi a opção escolhida por 22% dos entrevistados e 8% vão optar pela casa do namorado(a). Dois em cada dez entrevistados (19%) ainda não sabem ou não decidiram onde vão celebrar a data.

Você pode gostar também

Nacional

Estudantes podem aderir a partir de hoje à lista de espera do ProUni

Os estudantes que não foram pré-selecionados para as bolsas do Programa Universidade para Todos (ProUni) podem aderir à lista de espera a partir de hoje (26). A lista será usada

Nacional

Greve dos bancários já dura 23 dias, a maior desde 2004

A greve dos bancários, que entrou hoje (28) em seu 23º dia, já é a terceira mais longa desde 2004, quando a paralisação chegou a 30 dias. Em 2013, a

Nacional

MP flexibiliza regras para estados em recuperação fiscal

O governo editou medida provisória para auxiliar estados em recuperação fiscal. Os estados serão dispensados de apresentar certificados como de regularidade no pagamento de Fundo de Garantia do Tempo de

Deixe seu comentário