Diretor do Whatsapp critica decisão judicial

O bloqueio dos serviços do Whatsapp, determinado ontem (2) pela justiça de Sergipe, foi criticado pelo diretor executivo do Whatsapp, Jan Koum, em sua conta no Facebook. “Mais uma vez milhões de brasileiros inocentes estão sendo punidos porque um tribunal quer que o Whatsapp entregue informações que nós repetidamente dissemos que não temos”, disse.

Ele explicou que o aplicativo faz a criptografia das mensagens para manter as informações dos usuários seguras. “Quando você manda uma mensagem criptografada, ninguém mais pode ler – nem mesmo nós”, alegou Koun. Além disso, o Whatsapp não guarda os históricos das conversas nos servidores, alegou.

Jan Koum disse que a empresa está trabalhando para reativar o serviço o mais rápido possível, e ratificou que o Whatsapp não tem intenção de comprometer a segurança de bilhões de usuários pelo mundo todo.

Ele já havia criticado anteriormente a justiça brasileira quando houve outro bloqueio do Whatsapp, em dezembro do ano passado.

Em nota, o WhatsApp disse que está desapontado com a decisão, que pune mais de 100 milhões de brasileiros que dependem do serviço.

O WhatsApp está bloqueado em todo o país desde às 14h de ontem, por determinação do juiz Marcel Montalvão, da comarca de Lagarto, em Sergipe. A medida vale inicialmente por 72 horas, mas, se houver uma liminar derrubando a decisão, o serviço pode ser retomado antes desse prazo.




Você pode gostar também

Tecnologia

WhatsApp pode voltar a ser bloqueado no Brasil, afirma delegado

O aplicativo WhatsApp pode voltar a ser bloqueado no Brasil, conforme informou o delegado Fabiano Barbeiro nesta quarta-feira (2). A revelação foi feita durante entrevista à Rádio Câmara. O motivo

Tecnologia

BB renegocia R$ 1 bilhão em dívidas pela internet

O Banco do Brasil conseguiu renegociar mais de R$ 1 bilhão de dívidas em atraso por meio da internet. Mais de 100 mil clientes, entre empresas e pessoas físicas, fizeram

Tecnologia

Matéria sobre Frei Galvão alcançou mais de 30 mil pessoas em menos de 12 horas

Matéria publicada pelo Alô Limeira no dia 20 de abril, a respeito da morte de uma jovem grávida no hospital Frei Galvão, teve o alcance de mais de 30 mil

Deixe seu comentário