Em ação inédita, Limeira retira 14 toneladas por dia de resíduos da rede de drenagem

Foto: Adilson Silveira

Foto: Adilson Silveira


Todos os dias, o Saee (Serviço Autônomo de Água e Esgoto) de Limeira retira 14 toneladas de resíduos molhados da rede de drenagem de Limeira, resultado do descarte irregular de absolutamente tudo o que se possa imaginar nas ruas, bocas de lobo e outros nas redes de água pluvial.

Esse trabalho é uma iniciativa inédita na região, que permite manter desobstruída uma rede de 8.700 bocas de lobo e 400 quilômetros de galerias, que compõem o Sistema de Drenagem de Limeira.

O serviço é feito periodicamente, em média, duas vezes por ano. Por mês passam por vistoria e limpeza em torno de 1.200 bocas de lobo e 38 km de galerias, o que evita inundações e alagamentos e danos a infraestruturas nas ruas e avenidas.

O presidente do Saae, Osmar da Silva Júnior, disse que o trabalho de limpeza e manutenção é um investimento que nenhum outro município da região faz e que protege os córregos do município, principalmente o Ribeirão Tatu e Barroca Funda dos resíduos descartados irregularmente nas redes de drenagem de águas pluviais (água da chuva), além de garantir a desobstrução do sistema.

“Esse investimento é importante porque repercute na saúde da população, sendo que os municípios que não fazem isso têm problemas graves com entupimentos e alagamentos”, diz Silva Júnior.

Muitos dos resíduos que vão para as galerias são contaminantes, conhecida como poluição difusa contendo diversos poluentes, como óleo diesel e gasolina, além disso, o acúmulo de resíduos, especialmente restos de alimentos e óleo de cozinha atraem ratos e animais peçonhentos.

Em uma ação realizada na sexta-feira, 2 de junho, na avenida dos Expedicionários, Parque Nossa Senhora das Dores, a equipe de limpeza retirou embalagens plásticas, pedaços de madeira e pedras, restos de construção civil, muita terra e lixo doméstico que entupiam a boca de lobo e já tinham comprometido a ligação com o posto de visita que fica no canteiro central da mesma via.

Trata-se de um serviço pesado e com risco de contaminação, que exige uma equipe especializada disponível todo o tempo para ações programadas e emergências pontuais.

Valdo Buzuti, diretor comercial da empresa responsável pela equipe, a Forty, disse que o trabalho é feito com equipamentos modernos fabricados no Brasil e que combinam hidrojateamento de alta pressão e um sistema de sucção de alta potência. Juntos, esses equipamentos desobstruem bocas de lobo e galerias. “A equipe que opera o sistema é treinada pelo fabricante porque os equipamentos são modernos e exigem capacitação”, diz Buzuti.

O sugador é capaz de retirar paralelepípedos e pedaços de pedras e madeiras, enquanto o jato destrói as obstruções, que podem ser inclusive de concreto. A força do jato de água é de 140 quilos por centímetro quadrado e a capacidade de sucção é de 340 m3 por minuto. O equipamento tem tubos com diâmetro de 12 ou 6 polegadas dependendo da aplicação, além de tanque de detritos de 10 metros cúbicos e tanque de água de 6 metros cúbicos instalados num caminhão, sendo que dois veículos ficam à disposição da Prefeitura de Limeira. Vale destacar que todo o trabalho é feito com a chamada água de reuso.

“Quando o tanque de detritos fica cheio, a água é drenada e volta ao tanque, além disso só utilizamos água de reuso, porque o prefeito Paulo Hadich solicitou que se economize água tratada”, declara o diretor comercial da Forty.

Manter o sistema de drenagem funcionando é uma das medidas de saúde e saneamento, que evitam a proliferação de ratos, escorpiões, baratas e mau cheiro, além de permitir que durante as chuvas ocorra o escoamento adequado da água e se evitem enchentes e inundações.

“Com exceção dos pontos de enchente por motivos topográficos, o sistema de drenagem tem capacidade para manter a cidade protegida”, diz Buzuti.

Um dos grandes problemas enfrentados para se manter a rede de drenagem municipal em ordem é a falta de consciência da população, que descarta nas bocas de lobo e no sistema de drenagem desde o lixo doméstico, até sapatos, garrafas pets, pedaços de móveis, restos de construção civil, restos de podas de árvores e de comida.




Você pode gostar também

Limeira

Secretaria adota prudência e retoma regras de atribuição de aulas

A Secretaria de Educação anulou nesta quarta-feira (1) ato normativo que alterou regras da atribuição de aulas para cargas suplementares. A medida foi tomada após concessão de liminar pela Justiça

Limeira

Comitê da Dengue discute ações de prevenção em Limeira

Avaliar os resultados do trabalho de prevenção e controle da dengue em Limeira foi o objetivo de uma reunião realizada nesta sexta-feira (8), na sede da Secretaria de Educação. Participaram

Limeira

Alunos participam de projeto da Olaria Ecológica

Técnicos da Secretaria de Habitação iniciaram ontem (24) um projeto com alunos da Emeief Professora Aracy Nogueira Guimarães, no Jardim Lagoa Nova, sobre fabricação de tijolos ecológicos. Até amanhã (26),

Deixe seu comentário