Faturamento das MPEs cai pelo 17º mês seguido

A demanda fraca provocou a queda de faturamento das micro e pequenas empresas (MPEs) em maio pelo 17º mês seguido, na comparação com o mesmo período de 2015. De acordo com a pesquisa Indicadores Sebrae-SP, as MPEs apresentaram resultado negativo de 9,9%, já descontada a inflação. Por setores, o pior resultado foi da indústria, com redução de 18,7%, seguida pelos serviços (-11,8%) e pelo comércio (-5,6%). Para o total do estado, o faturamento das MPEs em maio de 2016 somou R$ 47,3 bilhões.

Por outro lado, a pesquisa mostra uma perspectiva de melhora: o ritmo de queda está se tornando menos intenso nos últimos dois meses, o que está refletindo na confiança dos empreendedores. Para os próximos seis meses, a partir de junho, 29% proprietários de micro e pequenas empresas esperam melhora no faturamento (esse índice era de 18% em junho de 2015) e 52% contam com estabilidade no faturamento (esse índice era de 60% em junho de 2015).

O estudo também detectou aumento do porcentual de donos de pequenos negócios que esperam melhora na economia brasileira para os próximos seis meses: hoje eles perfazem 28%, contra 11% em junho de 2015. Os que esperam uma piora no cenário caíram de 38% em junho do ano passado para 17% em junho de 2016.

“Com os resultados negativos começando a perder a força, o empresário passa a acreditar que o pior já passou e é hora de voltar a crescer. Cabe agora ao governo restabelecer de vez a confiança perdida pela administração anterior, dando sinal verde para a retomada do crescimento”, afirma o presidente do Sebrae-SP, Paulo Skaf.

Em relação ao faturamento das MPEs de acordo com a região do Estado, a maior queda se deu na Região Metropolitana de São Paulo, com redução de 14,7% em relação ao mesmo mês de 2015. O município de São Paulo registrou queda de 13,3%, enquanto que a região do Grande ABC teve diminuição de 11,5%. Os municípios do interior apresentaram a menor redução: -4,6%. Já o pessoal ocupado nas MPEs paulistas caiu 2,1% no acumulado do ano (janeiro a maio). A folha de pagamento teve redução de 4% e o rendimento dos empregados variou negativamente em 0,1%, já descontada a inflação.

Resultado dos MEIs
A pesquisa Indicadores Sebrae-SP também levantou dados sobre o faturamento dos Microempreendedores Individuais (MEIs) paulistas. Essas empresas apresentaram queda de 18,8% nas receitas em maio de 2016, na comparação com o mesmo mês de 2015. A análise por setores mostra que o comércio sofreu as maiores perdas, com queda de 26%, seguido pelo setor de serviços, com redução de 14,2% e pela indústria (diminuição de 13,4%). O faturamento total dessas empresas no estado foi de R$ 2,3 bilhões em maio.

Os MEIs também responderam sobre suas expectativas para os próximos seis meses. Em junho, 45% dos MEIs afirmaram esperar estabilidade para o seu faturamento, contra 38% no mesmo mês de 2015. A fatia dos que esperam melhora passou de 42% para 43%, enquanto os que esperam diminuição na receita caíram de 14% em junho de 2015 para 9% em junho último. Já sobre a economia brasileira, os resultados são mais animadores: 41% dos MEIs apostam em estabilidade no nível de atividade nos próximos seis meses (eram 28% um ano antes). Os que esperam melhora para a economia pularam de 26% em junho de 2015 para 40%, e os que esperam piora caíram de 43% para 15%.

“O baixo poder de compra do consumidor tem impacto direto no faturamento dos MEIs, que geralmente são profissionais como costureiros, manicures, pedreiros e salgadeiros”, diz Bruno Caetano, diretor superintendente do Sebrae-SP. “Mas a expectativa positiva em relação ao futuro é um alento. É importante ressaltar que, num mercado competitivo como o que os MEIs atuam, quem conseguir se preparar, poderá colher os frutos quando a economia retomar o crescimento”, observa.

A pesquisa
A pesquisa Indicadores Sebrae-SP foi realizada com apoio da Fundação Seade. Foram entrevistados 1,7 mil proprietários de MPEs e 1 mil MEIs do Estado de São Paulo durante o mês de referência. No levantamento, as MPEs são definidas como empresas de comércio e serviços com até 49 empregados e empresas da indústria de transformação com até 99 empregados, com faturamento bruto anual até R$ 3,6 milhões. Os MEIs são definidos como os empreendedores registrados sob essa figura jurídica, conforme atividades permitidas pela Lei 128/2008. Os dados reais apresentados foram deflacionados pelo INPC-IBGE.

Você pode gostar também

Nacional

Prévia da inflação é de 0,21%, a menor para abril desde 2006

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) registrou variação de 0,21% em abril, informou hoje (20), no Rio de Janeiro, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Nacional

Diretor do BC diz que não existe perspectiva de redução dos juros no curto prazo

Os juros básicos da economia deverão ser mantidos em 14,25% ao ano até que a inflação volte a cair para o centro da meta. A afirmação é do diretor de

Nacional

Voo da TAM retorna a Guarulhos após colisão com pássaro

O voo da TAM JJ 3289, que seguia do aeroporto de Guarulhos para Porto Alegre, precisou retornar ao terminal após colidir no ar com um pássaro. Ninguém ficou ferido. Segundo

Deixe seu comentário