Fitch volta a rebaixar a nota de crédito do Brasil

A agência de classificação de risco Fitch voltou a rebaixar a nota de crédito do Brasil, desta vez de BB+ para BB. Em dezembro do ano passado, a Fitch reduziu a nota brasileira e o país perdeu o grau de investimento, selo conferido aos países considerados bom pagadores e seguros para investir.

As agências de classificação de risco começaram a rever a nota brasileira em 2015. Este ano o movimento continuou e a Fitch é a terceira a fazer o rebaixamento. Em fevereiro, a Moody’s e a Standard& Poor’s já haviam reduzido a nota. A Moody’s que, na época era a única que ainda não havia retirado o selo de bom pagador, baixou para grau especulativo. A Fitch informou que o Brasil permanece em perspectiva negativa, o que significa que pode haver nova revisão da nota.

Segundo comunicado da agência, o rebaixamento reflete a contração econômica “mais profunda do que o antecipado”. A Fitch cita o fracasso do governo em estabilizar as perspectivas para as finanças públicas, o continuado impasse legislativo e incerteza política elevada, que estão “minando a confiança doméstica e a governabilidade, bem como a eficácia das políticas”.

Com a nota BB, o Brasil volta ao patamar de classificação de risco que tinha em 2006. A Fitch, em dezembro, previa que o Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e riquezas produzidos em um país) brasileiro teria contração de 2,5% em 2016 e crescimento de 1,2% em 2017. Agora, a agência estima queda de 3,8% este ano e alta de 0,5% no próximo.

A Fitch, no entanto, fez algumas previsões favoráveis. Para a agência, a China, um dos principais parceiros comerciais do Brasil, “vai evitar uma aterrissagem difícil e será capaz de administrar uma desaceleração gradual, oferecendo uma alta limitada dos preços das commodities (bens primários com cotação internacional)”. A nota mencionou ainda a Argentina, principal destino dos produtos industrializados brasileiros. Para a Fitch, a performance econômica do país vizinho tende a melhorar moderadamente.

A agência fez referência também ao processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff. “A Fitch acredita que qualquer transição política para um novo governo durante o processo de impeachment será suave e pacífica”, diz o comunicado.

Procurado, o Ministério da Fazenda informou que não comentará a decisão da agência de classificação de risco.




Você pode gostar também

Nacional

Indústria paulista fecha semestre com mais 2,5 mil postos de trabalho

A indústria paulista encerrou o primeiro semestre deste ano com saldo positivo na geração de postos de trabalho. De janeiro a junho, o nível de emprego na industria aumentou 0,11%,

Nacional

Abono salarial do PIS/Pasep de setembro começa a ser pago hoje

O abono salarial do PIS/Pasep do calendário 2016/2017, para os nascidos no mês de setembro, começa a ser pago hoje (15). Os saques poderão ser feitos nas agências da Caixa,

Nacional

Medo do desemprego é o mais alto em 17 anos, diz CNI

O medo do desemprego entre os brasileiros alcançou, em junho, o maior nível desde que começou a ser medido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), em 1999. Segundo pesquisa da

Deixe seu comentário