Governadores pedirão a Temer ampliação do pagamento de dívidas por 20 anos

Brasília - O governador do Distrito Federal,Rodrigo Rollemberg, se reúne com integrantes do Fórum Permanente de Governadores, na Residência Oficial de Águas Claras. Foto:  José Cruz/Agência Brasil

Brasília – O governador do Distrito Federal,Rodrigo Rollemberg, se reúne com integrantes do Fórum Permanente de Governadores, na Residência Oficial de Águas Claras.
Foto: José Cruz/Agência Brasil


Governadores de 13 estados e quatro vice-governadores estão reunidos com o governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, em sua residência oficial em Brasília. O assunto principal do encontro é a renegociação da dívida dos estados.

Estão presentes governadores do Tocantins, Espírito Santo, Amazonas, de Rondônia, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Alagoas, do Rio Grande do Sul, de Pernambuco, São Paulo, Goiás, do Rio Grande do Norte e Amapá. Os vice-governadores são do Piauí, Acre, Pará e da Bahia.

Os governadores defendem o alongamento da dívida por 20 anos, com a possibilidade de que os estados possam pedir carência de 100% das parcelas por dois anos, retomando o pagamento das prestações após esse prazo. O governo federal acenou com uma contraproposta que muda o período de carência do pagamento das parcelas da dívida dos estados com a União de 24 meses para 18 meses, com descontos escalonados.

Eles tratarão ainda da alteração das regras do Simples Nacional e da retomada das operações de crédito. O encontro ocorre antes de reuniões com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e o presidente interino Michel Temer, hoje à tarde.

Ao chegar ao encontro, o secretário de Fazenda do Rio Grande do Sul, Giovani Feltes, disse que a dívida do estado com a União é de R$ 51 bilhões. Ele explicou que a situação é crítica, mas que até então não pretende decretar estado de calamidade pública, como fez o Rio de Janeiro.

O governador em exercício do Rio de Janeiro, Francisco Dornelles, decretou estado de calamidade pública, na última sexta-feira (17), por causa da crise financeira. O governo diz que o decreto visa a garantir o cumprimento das obrigações estaduais com a realização dos Jogos Olímpicos, que terão início em agosto.

Feltes afirmou que espera que o governo federal faça uma proposta isonômica para os estados que apresentam as maiores dívidas: Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo.




Você pode gostar também

Política

Cunha faz balanço de seis meses no comando da Câmara em pronunciamento na TV

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), fez nesta sexta (17), em rede nacional de rádio e televisão, um balanço do primeiro semestre no comando da Casa. No

Política

Planalto nega pedido de Dilma para viajar em aviões da FAB

Após a Casa Civil da Presidência da República recomendar a restrição do uso de aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) pela presidente afastada, Dilma Rousseff, ela teve o primeiro pedido

Política

Brasil deve reduzir emissão de gases antes do previsto, diz ministro

As políticas públicas brasileiras resultaram na redução de 2,6 milhões de toneladas de emissões de gases de efeito estufa nos últimos dois anos, informou hoje (22) o ministro do Meio

Deixe seu comentário