A importância do respeito ao outro

Vivemos tempos complexos, tempos de intolerância, tempos de verdades absolutas, tempos de certezas incontestáveis.

Vivemos a era da intolerância e da bestialidade, aprender com o outro tornou-se sinônimo de fraqueza. Só podemos ensinar. Devemos ter seguidores. Sermos admirados e nunca frustrados.

Seres humanos que somos deveríamos buscar a constante evolução e esta está intimamente ligada ao respeito, ao entendimento, ao não julgamento. Devíamos, há muito tempo ter aprendido o que é ter empatia e ser empático. Nos cansamos de escutar: “Ah, eu até entendo, mas falei mesmo. Nem ligo!”

Como assim, gente?!
O que te dá o direito de ofender, agredir alguém sob qualquer que seja a justificativa ou o pretexto?
Escutamos mulheres contarem que diante de situações de conflito são logo chamadas de ‘vagabundas’, ‘vadias’ e assim por diante. Homens em situação parecida são chamados de ‘gays’ e ‘viados’.

O que pretendemos com isso? O que buscamos com toda esta agressividade e intolerância? O que ensinamos às nossas crianças?

Não, não digo para sermos passivos frente ao erro do outro, mas sim, respeitosos, empáticos e que consigamos dialogar, acima de tudo.

O diálogo abre portas, leva ao entendimento, enquanto a ofensa e a briga levam à ‘guerra’, causam brigas e, muitas vezes, consequências irreparáveis!

Pare, portanto, de ver seu umbigo apenas. Pare de ver as ‘mancadas’ do outro com você. Apenas pare! As coisas acontecem sempre e à toda hora e não são direcionadas a você ou para te magoar, prejudicar ou ofender!

Somos muitos no mundo. Vivemos cada um, um drama pessoal, temos nossas dores e medos. Temos cada um nossos problemas. Julgar, brigar e ofender ajuda em que?

Ao passo que dialogar, conversar e buscar entendimento, ajuda em que?




Você pode gostar também

Sophia Rodovalho

Quando a ansiedade se torna grande demais

Agitação, nervosismo, preocupação, medo constante, sensação de que algo ruim vai acontecer, irritabilidade, dificuldade para dormir, tensão muscular, dentre outros, são sintomas comuns à ansiedade, muito comum hoje em dia.

Sophia Rodovalho

Mude ou não mude, mas tome a decisão!

Áh, o processo de mudança… Frequentemente escutamos: “Olha, se você for assertivo, dará certo.” ou “Comece a economizar.”, “Fale não.”, “Faça exercício.”, dentre outras. Se analisarmos cada frase, veremos que

Sophia Rodovalho

Se pode existir uma pior parte no BULLYING na escola, segue uma reflexão desnuda

Muito já foi dito e explicado sobre a prática do bullying, entretanto, vale começar a reflexão lembrando que ele é definido pela prática de atos violentos, intencionais e repetidos, contra

Deixe seu comentário