Juíza nega gratuidade de Justiça a Eduardo Cunha

A juíza Maria Cecília Pinto Gonçalves, da 52ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), negou o pedido do ex-deputado Eduardo Cunha de gratuidade de Justiça. Determinou ainda que sejam penhorados os seus bens “supérfluos, suntuosos e em duplicidade” encontrados na residência.

A medida, definida pela magistrada como “penhora portas a dentro”, serve para cobrir os R$ 8.425,80 correspondentes à dívida que Cunha tem com o Tribunal de Justiça do Rio.

Após perder a ação contra a Infoglobo, empresa do Grupo Globo, por publicação de um texto do jornalista Arnaldo Jabor que o chamava de “coisa ruim”, o ex-deputado alegou que não teria como pagar as custas judiciais do processo por estar preso e com seus bens bloqueados pela Justiça Federal. Com isso, a juíza da 52ª Vara Cível expediu o mandado de penhora para garantir o pagamento.

Você pode gostar também

Política

Começa sessão do Senado que decidirá futuro de Dilma Rousseff na presidência

Começou com uma hora de atraso a sessão extraordinária do Senado que vai decidir sobre a admissibilidade do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff. Se aprovado por metade mais

Política

Propaganda eleitoral começa nesta sexta-feira

Começa nesta sexta-feira (26) a propaganda eleitoral em rádio e TV para o primeiro turno das Eleições Municipais de 2016. A exibição foi distribuída em dois blocos diários, com 10

Política

Lewandowski rejeita questões de ordem apresentadas por petistas

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, rejeitou hoje (9) as questões de ordem que pediam a suspensão do processo de impeachment de Dilma Rousseff para esperar os

Deixe seu comentário