Marcelo Odebrecht confirma ter dado R$ 9 milhões para campanha de Humala no Peru

Marcelo Odebrecht confirma ter dado R$ 9 milhões para campanha de Humala no Peru

O interrogatório do empresário Marcelo Odebrecht nesta segunda-feira (15), em Curitiba, por supostas contribuições irregulares à campanha de Ollanta Humala para as eleições presidenciais de 2011 no Peru foi muito satisfatório, afirmou o procurador peruano Germán Juárez ao jornal Correo, de Lima. A informação é da Agência EFE.

Em entrevista à publicação, Juárez afirmou que o interrogatório foi “muito satisfatório, não somente para o Ministério Público peruano, como para todas as partes”. Estiveram presentes ao depoimento os advogados de Humala e da ex-primeira-dama Nadine Heredia, Julio Espinoza e Wilfredo Pedraza, respectivamente.

Juárez disse que não podia revelar o conteúdo das respostas de Odebrecht porque o processo é reservado, mas ressaltou que “cumpriu todas as garantias que deve reunir um processo”.

Segundo o Correo, Odebrecht ratificou, no interrogatório, ter dado US$ 3 milhões (R$ 9,2 milhões) para a campanha presidencial de Humala. Ele e a esposa, como principais dirigentes do Partido Nacionalista, são alvo de um inquérito no Peru pelo crime de lavagem de dinheiro.

Jorge Barata, ex-diretor da Odebrecht no Peru, declarou ao procurador peruano que investiga os desdobramentos da Lava Jato em Lima, Hamilton Castro, que deu o dinheiro, efetivamente, a Heredia, mas que essa contribuição não estava condicionada a uma troca de favores.

Durante o mandato de Humala, a Odebrecht ganhou a concessão, junto com a espanhola Enagás e a peruana Graña y Montero, da construção do Gasoduto Sul Peruano, uma obra de US$ 7 bilhões. O contrato foi anulado pelo governo do Peru após conhecer os casos de corrupção ligados à Lava Jato.

O advogado Wilfredo Pedraza, entrevistado por vários veículos de imprensa, negou que as declarações de Odebrecht compliquem a situação de Humala e sua esposa, e afirmou que, como defensor, ficou “satisfeito” com o interrogatório. Seu colega Julio Espinoza disse que “não há razão para que o senhor [Jorge] Barata, que tem a mesma condição, esteja sendo processado no Peru, e o senhor [Marcelo] Odebrecht não”.

Para Espinoza, também “deveria ser processado no Peru o senhor (Marcelo) Odebrecht”.

Você pode gostar também

Política

Mercado financeiro reduz para 4,03% projeção para a inflação este ano

O mercado financeiro reduziu a projeção para a inflação este ano pela oitava semana consecutiva. Agora, a estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) passou de

Política

Vereadores regulamentam contratação de profissionais para a Escola Legislativa

Por meio Ato da Presidência 12/16, publicado no Jornal Oficial de Limeira de quinta-feira (28), a Câmara Municipal de Limeira regulamentou o pagamento pelo exercício de atividade de professor, palestrante

Política

Mudança no registro de nascimento pode ter votação concluída amanhã no Senado

Responsáveis por crianças moradoras de municípios sem maternidade poderão colocar na certidão de nascimento a cidade de residência da mãe, como naturalidade da criança, e não o local onde foi

Deixe seu comentário