Me aceitar como sou, até para poder mudar o que preciso

Sempre que escutamos que mudar é preciso e que precisamos melhorar sempre e evoluir, começamos a fazer uma lista do que os outros criticam em nós, do que não aceitamos e do que nos aproxima da “perfeiçäo”.
Calma, eu disse perfeição?!

Não seremos nunca perfeitos, nem devemos!! Nossos defeitos, nossas imperfeições nos fazem quem somos, nos fazem únicos e especiais.

Áh, ela só pode estar louca pra dizer que imperfeição nos faz especial e único, né? Não, não estou…

Aceitarmos nossos defeitos, aprendermos que temos nossas chatices, nossos pequenos medos, nossos traumas, nossos ‘recalques’, nossos exageros é importante, até para maneirarmos quando estivermos abusando deles, até para aceitarmos que é verdade quando escutamos uma crítica construtiva.

Mas não podemos mudar e melhorar? Claro que sim! Podemos e devemos mudar e melhorar o tempo todo. Evoluir sempre! Crescer e melhorar a todo tempo, mas sem pressão, sem neurose, sem pressa, sem terror…

É só quando nos aceitamos por inteiro e nos amamos de verdade, sem anseios, sem crise, sem julgamentos que conseguimos olhar pra dentro e traçar metaa de evolução e mudança e seguir em frente!

Ame-se! Sorria para você mesmo e para suas particularidades! Entenda que cada um de nós é único e especial! Que nossas diferenças nos completam e podem nos unir ao invés de nos separar e causar discórdia.

Trabalhar a aceitação, trabalhar a tolerância, a paciência e o amor próprio é a chave para uma vida leve, mais gostosa, para amizades mais duradouras, mais sinceras, mais coesas.
Vamos tentar? Que fevereiro seja um mês de muita aceitação e muito amor próprio.




Você pode gostar também

Sophia Rodovalho

A difícil arte de ser um casal

“Será possível, então, um triunfo no amor? Sim. Mas ele não se encontra no final do caminho: não na partida, não na chegada, mas na travessia.” Rubem Alves E muitas

Sophia Rodovalho

Dizer não: um ato de amor incondicional

A ideia para a coluna dessa semana surgiu de uma conversa com uma colega Psicóloga. Durante a conversa ela me dizia que precisávamos trabalhar no sentido de conscientizarmos os pais

Sophia Rodovalho

Perguntar ofende sim!

Aquela velha frase “Perguntar não ofende” vem se tornando uma espécie de mantra da atualidade. Há uns anos atrás ainda nos perguntávamos se deveríamos mesmo fazer tal pergunta, se havia

Deixe seu comentário