Mel para crianças só depois de 1 ano

Estudo da Unesp encontra bactéria Clostridium botulinum em 7% das amostragens. Foto: Divulgação.

Estudo da Unesp encontra bactéria Clostridium botulinum em 7% das amostragens. Foto: Divulgação.


“Dá um mel que alivia a tosse.” Você provavelmente já deve ter ouvido essa frase muitas vezes depois que seu filho nasceu. Mas a solução para o desconforto não é tão simples assim. Já nas primeiras consultas os pediatras orientam sobre a restrição do consumo do mel até 1 ano de idade. Uma pesquisa da Unesp (Universidade Estadual Paulista) revelou que 7% das amostras de mel comercializado por ambulantes contém a bactéria Clostridium botulinum.

O estudo da Unesp, realizado em várias regiões do país, mostrou a presença da bactéria em 7% das 100 amostras de mel comercializadas por ambulantes, mercados e feiras livres.

O vírus Clostridium botulinum é responsável pela transmissão do botulismo, doença que atinge os nervos e músculos. Embora seja rara, é grave. O sistema imunológico, de 0 até 1 ano de idade, não está desenvolvido o suficiente para combater esta bactéria. Os adultos também podem contrair a doença, mas, somente se já tenham problemas relacionados à flora intestinal.

Sintomas e tratamento do botulismo
A criança fica abatida, tem dificuldade de controle dos movimentos, apresenta abalos musculares e episódios semelhantes a crises convulsivas. Não há tratamento para a doença. O diagnóstico precoce é fundamental para controlar os sintomas.

Você pode gostar também

Saúde

Coca, Pepsi e Ambev param de vender refrigerante a escola com menores de 12 anos

A Coca-Cola Brasil, a Ambev e a PepsiCo Brasil deixarão de vender refrigerantes às escolas com alunos de até 12 anos ou que tenha a maioria dos alunos nessa faixa

Saúde

Prefeitura de Limeira realiza capacitação sobre sífilis para servidores da rede

A Prefeitura de Limeira, por intermédio da Secretaria de Saúde, promoveu na semana passada um treinamento sobre sífilis. A capacitação foi ministrada pela infectologista Camila Mobilon Ferreira Pessoa Pereira, na

Saúde

Vacinação contra febre amarela pode ser ampliada, diz ministro

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, disse hoje (9) que se as suspeitas de febre amarela na capital paulista forem confirmadas, a vacinação poderá ser ampliada na cidade. Três macacos

Deixe seu comentário