Mel para crianças só depois de 1 ano

Estudo da Unesp encontra bactéria Clostridium botulinum em 7% das amostragens. Foto: Divulgação.

Estudo da Unesp encontra bactéria Clostridium botulinum em 7% das amostragens. Foto: Divulgação.


“Dá um mel que alivia a tosse.” Você provavelmente já deve ter ouvido essa frase muitas vezes depois que seu filho nasceu. Mas a solução para o desconforto não é tão simples assim. Já nas primeiras consultas os pediatras orientam sobre a restrição do consumo do mel até 1 ano de idade. Uma pesquisa da Unesp (Universidade Estadual Paulista) revelou que 7% das amostras de mel comercializado por ambulantes contém a bactéria Clostridium botulinum.

O estudo da Unesp, realizado em várias regiões do país, mostrou a presença da bactéria em 7% das 100 amostras de mel comercializadas por ambulantes, mercados e feiras livres.

O vírus Clostridium botulinum é responsável pela transmissão do botulismo, doença que atinge os nervos e músculos. Embora seja rara, é grave. O sistema imunológico, de 0 até 1 ano de idade, não está desenvolvido o suficiente para combater esta bactéria. Os adultos também podem contrair a doença, mas, somente se já tenham problemas relacionados à flora intestinal.

Sintomas e tratamento do botulismo
A criança fica abatida, tem dificuldade de controle dos movimentos, apresenta abalos musculares e episódios semelhantes a crises convulsivas. Não há tratamento para a doença. O diagnóstico precoce é fundamental para controlar os sintomas.

Você pode gostar também

Saúde

Centro de Oncologia de Limeira realiza Abertura do Outubro Rosa

Na segunda-feira (19) será realizada a abertura da Campanha Mundial Outubro Rosa 2016, no Centro de Oncologia de Limeira. Celebrada anualmente, as ações visam compartilhar informações sobre o câncer de

Saúde

H1N1 aumenta procura por vacina

Já não bastasse a preocupação com a dengue, zika ou chikungunya, a população agora tem mais um motivo de atenção: a gripe H1N1. Após caso confirmado em Limeira e aumento

Saúde

Bebê com menos de um ano completa três meses com coração artificial

Duas paradas cardíacas e três meses ligado a um coração artificial é parte da história de Gustavo Henrique de Oliveira, que deve completar 1 ano no próximo dia 25, à

Deixe seu comentário