Ministro diz que não há necessidade de fracionar vacina da febre amarela

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, disse hoje (10), após reunião na sede da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), na capital dos Estados Unidos, Washington, que ficou acordado que não há necessidade de fracionamento de vacina contra a febre amarela neste momento no Brasil. Segundo o ministro, “nas condições de hoje não haverá, por enquanto, recomendação de fracionamento”.

O fracionamento pode ser aplicado em casos de grandes epidemias, para que uma dose atenda a vários pacientes. O ministro lembrou que, se acontecerem fatos novos, como uma cidade muito populosa ser classificada como área de recomendação da vacina, é possível que o governo volte a discutir o fracionamento. Segundo ele, essa é uma possibilidade que já foi utilizada e, “nos estudos, desde que houve essa vacinação, as pessoas que tomaram a dose fracionada e integral têm a mesma quantidade de anticorpos”.

Pela manhã, o ministro se reuniu com a diretora da organização, Carissa Etienne, e tratou das prioridades para o ministério no momento, entre elas o aumento no número de casos de febre amarela e a informatização do Sistema Único de Saúde (SUS).

A Opas tem sede em Washington e promove a cooperação entre os países do continente. Desde o início do aumento no número de casos de febre amarela no Brasil, por exemplo, a organização já enviou 15 especialistas em áreas como controle de doenças, acompanhamento e imunização para Minas Gerais, Espírito Santo e Rio de Janeiro.

Você pode gostar também

Saúde

Planos de saúde terão que pagar exames de Zika a partir de hoje

A partir de hoje (6), os planos de saúde terão que cobrir obrigatoriamente três exames de detecção do vírus Zika para públicos específicos. Os procedimentos deverão ser disponibilizados para gestantes,

Saúde

Um em cada dois adultos com diabetes não está diagnosticado, alerta federação

No Dia Mundial do Diabetes, lembrado hoje (14), a Federação Internacional do Diabetes faz um alerta: um em cada dois adultos com a doença não está diagnosticado e, portanto, não

Saúde

Limeira tem mais 3 mortes com suspeita de H1N1

Em dois dias, Limeira registou mais três mortes por H1N1. O primeiro caso foi no domingo (1º). A mulher de 63 anos estava internada no Hospital Unimed. Na segunda-feira, faleceu

Deixe seu comentário