Ministros voltam a se reunir para avaliar ações e discutir prioridades

Ministros voltam a se reunir para avaliar ações e discutir prioridades

Sob o comando do vice-presidente da República, Hamilton Mourão, começou há pouco no Palácio do Planalto a reunião do Conselho de Governo, formado pelos 22 ministros. De acordo com assessores, eles vão avaliar o primeiro mês de trabalho e discutir o andamento das ações previstas para os 100 primeiros dias de governo.

Uma das principais reformas a serem propostas, a da Previdência, deve ter destaque na conversa. O ministro da Economia, Paulo Guedes, tem conversado com dirigentes de outros Poderes para garantir que o texto encaminhado pelo Palácio do Planalto tenha rápida tramitação no Congresso. Guedes, que ontem (4) jantou com o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, para tratar do assunto, pretende conversar pessoalmente hoje (5) com os presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Outra prioridade do governo para os primeiros 100 dias, a lei anticrime, teve o primeiro avanço ontem (4), quando o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, apresentou os detalhes do projeto que o governo enviará ao Congresso Nacional nos próximos dias. A proposta foi apresentada a governadores, a Rodrigo Maia, a à Frente Parlamentar de Segurança Pública da Câmara, composta por 299 deputados.

Você pode gostar também

Política

Lula é denunciado pelo Ministério Público Federal

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e outras dez pessoas – entre elas, o empresário Marcelo Odebrecht – foram denunciadas nesta segunda-feira (10) pelo Ministério Público Federal no Distrito

Política

Decretos assinados por Dilma feriram a Constituição, diz relator do impeachment

Após mais de duas horas de leitura de seu parecer, favorável à continuidade do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, o deputado Jovair Arantes (PTB-GO), relator do caso na

Política

Temer diz que país passa por “crisezinha política”

O vice-presidente da República, Michel Temer, negou que haja crise institucional no país, e chamou de “crisezinha política” a situação vivida pelo Planalto, após o anúncio do presidente da Câmara

Deixe seu comentário