Moradores de rua, por Célio Pezza

frio
Um dia destes assisti a um filme chamado ‘O Solista’, sobre um músico talentoso que era morador de rua por problemas mentais. No final, falaram sobre a existência de 90 mil moradores de rua na cidade de Los Angeles. Não existem estatísticas seguras em lugar nenhum do mundo e, no Brasil, o IBGE não consegue chegar a um número correto, pois alega que os moradores de rua não possuem endereço fixo.

Os números aproximados mostram que nos Estados Unidos existem mais de 350 mil moradores de rua. Na Inglaterra são mais de 300 mil. Em Moscou, sabe-se que morrem mais de 400 pessoas nas ruas devido ao extremo frio durante cada inverno, mas não se tem um número certo de quantos são no total.

No Brasil, de acordo com um levantamento do Ministério do Desenvolvimento Social, estima-se que perto de 1,5 milhões de brasileiros vivam nas ruas. São pessoas excluídas do sistema por problemas como alcoolismo, drogas, doenças mentais, desavenças com familiares, desemprego, desilusão com a vida e outros. Este é o nosso mundo real, não aquele da Copa do Mundo e das Olimpíadas.

Também é muito triste saber que, enquanto escrevo este artigo, no aconchego do meu lar, existem pessoas preocupadas em ter um jornal para se cobrir e tentar sobreviver ao frio da noite, muitas vezes de estomago vazio. Uma pesquisa feita pelo Ministério Social e Combate a Fome entre 32 mil moradores de rua mostrou outro dado surpreendente: 74% sabem ler e escrever, 48% terminaram o ensino fundamental e 2% completaram o curso superior e falam outros idiomas.

Em São Paulo, a prefeitura instalou rampas contra estes indesejáveis inquilinos, nas áreas sob diversos viadutos, com um piso áspero e incômodo, para evitar que durmam lá, pois não é adequado mostrar uma cidade cheia de moradores de rua. A prefeitura também quer acabar com a distribuição gratuita de sopa aos moradores de rua, que é feita por instituições de caridade, a não ser que ela ocorra nos albergues da prefeitura, e enquadrar criminalmente aqueles que insistirem nesta prática de solidariedade humana.

As instituições alegam que isto é uma criminalização da caridade e no meio dessa polêmica, lembro que perguntaram a um morador das ruas de São Paulo, sobre o que há de pior em viver nas ruas. Ele coçou a barba, olhou para o vazio, e respondeu:
− O pior… O pior é a chuva!

Enquanto eu escrevo esta crônica, cai uma chuva fina lá fora.

*Célio Pezza é colunista, escritor e autor de diversos livros, entre eles: As Sete Portas, Ariane, A Palavra Perdida e o seu mais recente A Tumba do Apóstolo. Saiba mais em www.facebook.com/celio.pezza

Você pode gostar também

Opinião

4 orientações para quem precisa devolver imóvel

Após um boom no mercado imobiliário ocorrido nos últimos anos, o que se observa neste momento é que ocorreu uma forte retração. Dados recentes de uma pesquisa do Creci, mostra

Opinião

Como passar pela crise sem demitir pessoas

De acordo com dados recentes do IBGE, cerca de 11 milhões de brasileiros estão desempregados, atingindo o índice de 10,9%, o maior desde 2012. Atribuímos estes números à crise política

Opinião

Repatriação – é hora da transparência

O mundo caminha para a transparência e o Brasil, com os recentes acordos internacionais (como FATCA, OCDE e Tratado com Suíça) e frente a um futuro no qual as barreiras

Deixe seu comentário