“Não cabe ao Congresso definir preço de combustíveis”, diz Eunício

“Não cabe ao Congresso definir preço de combustíveis”, diz Eunício

O presidente do Senado, Eunício Oliveira, disse nesta sexta-feira (25) que não cabe ao Congresso definir preço de combustíveis. Evitando se posicionar sobre a continuidade das negociações para encerrar a paralisação dos caminhoneiros, o senador afirmou que as articulações foram feitas sem a participação do Legislativo, concentrando os esforços no Executivo.

“Sinceramente eu não posso fazer uma avaliação sobre uma negociação que eu não participei. Eu fui apenas, no final, ouvir os caminheiros em relação ao Congresso, ao Senado. Não há pendências em relação ao Senado para que a greve dos caminhoneiros seja resolvida. Se existem pendências com quem foi negociado, não foi com o Congresso, foi com o Executivo”, disse o presidente.

Eunício também não comentou a continuidade do movimento em vários estados brasileiros, mesmo após o acordo feito com o governo.

Política de preços da Petrobras
Questionado sobre a intenção do líder do Partido dos Trabalhadores, Lindbergh Farias (RJ), de pedir que seja pautada uma proposta que regasta a política de preços da Petrobras do governo Lula, o presidente do Senado disse que todos os projetos que forem discutidos e vierem com requerimento de líderes para votação em regime de urgência para resolver a crise serão pautados, mas a decisão caberá ao plenário da Casa.

Você pode gostar também

Política

Operação Zelotes cumpre 30 mandados em nova etapa

A Operação Zelotes cumpre 30 mandados de busca e apreensão e de condução coercitiva nesta segunda-feira (9), em Brasília, São Paulo e Pernambuco, o alvo é grupo Comercial Penha. Entre

Política

Nilton Santos pede divulgação dos novos radares

O vereador Nilton Santos apresentou Requerimento 489/16, questionando o Executivo a respeito das instalações dos radares fixos, cujo contrato custará aos cofres públicos R$ 11 milhões (onze milhões de reais).

Política

Plenário do Senado deve começar esta semana votação da Agenda Brasil

Com a aprovação do projeto de lei que reduz as desonerações concedidas pelo governo a 56 setores da economia, o plenário do Senado deve começar esta semana a se debruçar

Deixe seu comentário