“Não há recursos para se dar tudo a todos”, diz novo ministro da Saúde sobre SUS

Ministro da Saúde, Ricardo Barros. Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

Ministro da Saúde, Ricardo Barros.
Foto: Wilson Dias/Agência Brasil


O novo ministro da Saúde, Ricardo Barros, disse hoje (17) que vai buscar, junto à equipe econômica do presidente interino Michel Temer, a aplicação do que foi previsto para o setor no Orçamento 2016. Houve, segundo ele, um corte de R$ 5,5 bilhões no setor, feito pelo governo da presidenta afastada Dilma Rousseff.

“Espero poder recompor esses valores para que todos os compromissos do ministério sejam cumpridos. Se a equipe econômica, que acaba de se instalar, não tiver condições de recompor esses valores, aí, sim, nós iniciaremos uma análise de que áreas poderão cooperar com o ajuste fiscal.”

Questionado sobre a possibilidade de reduzir o tamanho do Sistema Único de Saúde (SUS), Barros destacou que trata-se de uma cláusula da Constituição que prevê saúde universal para todos, mas admitiu que “não há recursos para se dar tudo a todos”, disse o ministro. “O SUS tem funcionado com os recursos que tem, atendendo ao máximo de pessoas, com as melhores condições possíveis.”

Em entrevista à Folha de S. Paulo, o ministro afirmou que a capacidade financeira do governo para suprir garantias a que os cidadãos têm direito não são suficientes e que o país não está em um nível de desenvolvimento econômico que permita garantir esses direitos por conta do Estado. Sobre o material, publicado hoje, Barros disse estar se referindo à reforma da Previdência e não ao SUS.

“Tratei, na entrevista que dei, sobre a repactuação da Previdência, porque ela consome 50% dos recursos que nós arrecadamos. Houve um acordo, uma repactuação em Portugal, na Grécia, na Espanha. E haverá um momento em que isso precisará ser resolvido”, disse. “Foi uma fala de contexto, do porquê das dificuldades para o financiamento do SUS e as dificuldades ocorrem porque não há o equilíbrio fiscal.”

“A equipe econômica dará respostas à questão. Eu fui incumbido da área da saúde e, na área da saúde, procurarei garantir os recursos que estão no Orçamento, mas reconheço que não devo pedir mais recursos do Orçamento no momento. Eu relatei o Orçamento, e sei que não é possível ampliar recursos para nenhuma área, pelo contrário, a queda na arrecadação promoverá cortes que eu espero que não atinjam a saúde.”

Você pode gostar também

Saúde

Programa distribui óculos de graça a pessoas com mais de 60 anos

Maior programa de saúde ocular da história da rede pública do Estado de São Paulo distribui óculos de graça para pessoas com mais de 60 anos operadas de catarata pelo

Saúde

O conceituado médico anestesista de São Paulo, Dr Juliano Rodrigues, agora faz parte da Assessoria Dionatan Hobs

Após longos anos de estudos, um garoto que saiu do interior e foi morar em cidade grande, realizou seu sonho na graduação de medicina no estado do RJ. Daí resolveu

Saúde

OMS: doações de sangue precisam aumentar em mais da metade dos países

No Dia Mundial do Doador de Sangue, celebrado hoje (14), a Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta que as doações voluntárias e não remuneradas precisam aumentar rapidamente em mais da

Deixe seu comentário