O luto: um processo necessário para lidar com a perda e seguir em frente

O luto é um processo necessário e cada pessoa irá lidar com a perda de acordo com suas capacidades emocionais e pessoais.

A Psicologia estuda os aspectos sociais e psicológicos que envolvem os processos de luto e enfrentamento das perdas. Quando falamos em perdas nos remetemos diretamente à questão dos vínculos familiares, afetivos e do apego.

Muitos de nós já ouvimos falar que quem vivencia o luto, passa por fases e por etapas. São o que chamamos de fases do luto.

São cinco as fases do luto: negação, raiva, barganha (ou negociação), depressão e aceitação.

Elisabeth Kübler-Ross, psiquiatra suíça, quem primeiro estudou e elencou estas fase, após longo estudo com pacientes terminais.

Como podemos analisar o comportamento de perda (qualquer que seja ela)? Vamos por partes. Assim que uma pessoa importante para nós vem a falecer e recebemos esta notícia, provavelmente qual será a nossa primeira reação? “Não, não pode ser verdade” ou “deve haver um engano”. É possível até que liguemos para o telefone da pessoa várias vezes esperando que ela atenda.

Quando, após este primeiro momento, não mais recebemos a resposta, poderá ocorrer “uma reação comumente denominada de frustração ou cólera”: provavelmente iremos gritar, socar a porta do apartamento em que ele morava, jogar algumas de suas coisas no chão e nos perguntar “como isso foi possível?”.

Após isso, segue-se a fase da barganha: “Talvez feche os olhos e ao acordar perceba que foi tudo um sonho”, “Eu faria qualquer coisa para tê-lo de volta”.

Na fase da depressão frases como: “Nunca mais será como antigamente”, “Está tudo tão cinza”, “Estou tão triste”, são muito frequentes.

Na aceitação pensaremos “Ok, tinha que ser assim”, “Vai ficar tudo bem”. No caso do carro furtado, as respostas de procura-lo deixam de acontecer e pegamos o telefone para ligar para a empresa do seguro.

Como podemos perceber, o enfrentamento e a superação da perda (perda esta que não precisa ser a morte, ou como chamamos em Psicologia, a elaboração do luto, passa por algumas fases, não é um processo fácil ou simples.

Sendo assim, passar por ele sozinho e sem ajuda não será fácil. A convivência e o apoio de pessoas queridas é fundamental.

Poder falar sobre o que sente e o que se passa conosco, pois muitas são as mudanças de sentimentos, de pensamentos e de emoções, é de fundamental importância, por isso, busque ajuda.

Grupos de ajuda para quem vive o luto e a perda são uma fonte de muito apoio e de muito suporte, assim como a Psicoterapia. Enfrentar a perda e o luto sozinho só o deixa mais dolorido.

“A morte é um sono sem sonhos.” Napoleão Bonaparte

Você pode gostar também

Sophia Rodovalho

Psicoterapia é pra quem, afinal?

Não é raro escutarmos ainda nos dias de hoje, pessoas dizerem que não vão ao Psicólogo, por não serem loucas, ou pais dizendo que pra “arrumar“ a cabeça do filho

Sophia Rodovalho

A importância do respeito ao outro

Vivemos tempos complexos, tempos de intolerância, tempos de verdades absolutas, tempos de certezas incontestáveis. Vivemos a era da intolerância e da bestialidade, aprender com o outro tornou-se sinônimo de fraqueza.

Sophia Rodovalho

Dizer não: um ato de amor incondicional

A ideia para a coluna dessa semana surgiu de uma conversa com uma colega Psicóloga. Durante a conversa ela me dizia que precisávamos trabalhar no sentido de conscientizarmos os pais

Deixe seu comentário