O número da Besta do Apocalipse

O último livro da Bíblia, chamado de Apocalipse, de autoria de João, um dos discípulos de Jesus, descreve acontecimentos devastadores, relacionados ao final do mundo. No capítulo 13, ele faz menção a duas bestas, uma que emerge do mar e outra que emerge da terra. Essa segunda besta faz com que a todos lhes seja dada uma marca sobre a mão direita ou sobre a fronte, para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tem a marca, o nome da besta, ou o número de seu nome.

Nesse mesmo capítulo 13, no ultimo versículo 18, aparece o seu número: Aquele que tem entendimento, calcule o número da Besta, pois é número de Homem. Ora, esse número é 666. A partir dessa interpretação bíblica, esse número passou a ser associado com o diabo e tudo que está relacionado ao maligno. Acontece que foi encontrado em 1895 um fragmento do Livro do Apocalipse, datado do século 3, na cidade egípcia de Oxyrhynchus, escrito em grego, a língua oficial do Novo Testamento.

Esse fragmento estava ilegível e sem pigmentação e faz parte do acervo do Ashmolean Museum, em Oxford na Inglaterra. Apenas recentemente esse papiro foi submetido a técnicas avançadas na Oxford University, permitindo a sua leitura.

Segundo os especialistas responsáveis pelo estudo, o número citado por João é 616 e não 666. Entre eles, o professor David Parker, especialista em Paleografia do Novo Testamento da Universidade de Birmingham, atesta que o número 616 é o original da escrita de João. Já a falecida Dra. Ellen Aitken, professora de história do cristianismo primitivo na Universidade McGill, no Canadá, concordou que o número correto é 616. Ela disse que quando comentamos sobre os textos bíblicos, estamos falando de cópias feitas sobre cópias, sujeitas a erros e alterações por motivos políticos ou religiosos.

Agora, com o fragmento original decifrado, o número real aparece como 616. O professor Elijah Dann, que ensina religião e filosofia na Universidade de Toronto, no Canadá, comentou que parece que muitos sermões terão que ser reescritos e filmes precisarão ser mudados.

Muitos esotéricos gostaram da mudança pois o número 666, cuja soma resulta em 18 e 9, é o arcano do Ermitão e da Lua, que na numerologia cabalística, simboliza a sabedoria e a prudência. Já o número 616, cuja soma é 13 e 4, é o arcano do Imperador e da Morte, representam um grande personagem comandando a destruição e a renovação, mais de acordo com o contexto bíblico do Apocalipse.

*Célio Pezza é colunista, escritor e autor de diversos livros, entre eles: As Sete Portas, Ariane, A Palavra Perdida e o seu mais recente A Tumba do Apóstolo. Saiba mais em www.facebook.com/celio.pezza

Você pode gostar também

Opinião

Trump, por Célio Pezza

A eleição americana deste ano não foi só uma simples eleição que temos a cada quatro anos. Ela foi uma encruzilhada na história dos Estados Unidos. Existe uma estrutura de

Opinião

Como passar pela crise sem demitir pessoas

De acordo com dados recentes do IBGE, cerca de 11 milhões de brasileiros estão desempregados, atingindo o índice de 10,9%, o maior desde 2012. Atribuímos estes números à crise política

Opinião

Lúcifer, por Célio Pezza

Primeiramente é importante entendermos que Lúcifer nada tem a ver com a ideia do demônio cristão. Existe muita confusão entre os termos Satanás, Diabo e Lúcifer, mas, na verdade, um

Deixe seu comentário