PF faz operação para prender suspeitos de ataques em prédios públicos no AM

PF faz operação para prender suspeitos de ataques em prédios públicos no AM

A Polícia Federal (PF) realiza hoje (27) a operação Lex Talionis, em Humaitá, em Manaus para desarticular associação criminosa que teria incendiado e destruído bens públicos dos Institutos Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama), Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) e de Colonização e Reforma Agrária (Incra) feito em outubro do ano passado. Os danos causados aos bens públicos foram mais de R$ 1 milhão.

Cerca de 120 policiais federais cumprem 28 mandados judiciais expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região. São 15 mandados de busca e apreensão e 13 de prisão temporária.

Os ataques ao patrimônio público ocorreram em outubro do ano passado e seriam uma represália a operação anterior, coordenada pela Superintendência do Ibama no Amazonas.

Os garimpeiros de Humaitá teriam incendiado os prédios públicos dos órgãos de fiscalização após a inutilização de dragas na ação do Ibama.

De acordo com a Polícia Federal, durante as investigações, foram identificados garimpeiros e políticos que possivelmente incentivaram a manifestação.

Os danos aos bens públicos causaram prejuízo de mais de R$ 1 milhão aos cofres federais. Os acusados responderão pelos crimes de associação criminosa e dano qualificado, que preveem penas que somadas podem chegar a seis anos de prisão.

Você pode gostar também

Polícia

Homem morre em acidente de moto na Limeira Cordeirópolis

No sábado (28), três amigos moradores de Cordeirópolis vieram a Limeira passear e na volta, em circunstâncias ainda desconhecidas segundo o boletim de ocorrência registrado, uma das motos atingiu a

Polícia

Acidente com ônibus mata mulher e fere mais de trinta em Cravinhos (SP)

Acidente entre um ônibus e um caminhão carregado com cana de açúcar resultou na morte de uma mulher e deixou ao menos 30 feridos na manhã desta segunda-feira (11), na

Polícia

Rosa Weber manda soltar acusado que não tinha R$ 500 para pagar fiança em Limeira

A ministra do Supremo Tribunal Federal, Rosa Weber, considerou “injusta e desproporcional” decisão da primeira instância judicial contra um ajudante de serviços gerais preso por crime ambiental após ser acusado

Deixe seu comentário