PF prende duas pessoas em ação na sede da RioCard

PF prende duas pessoas em ação na sede da RioCard

Policiais federais prenderam hoje (25) duas pessoas em flagrante durante o cumprimento de mandado de busca e apreensão na sede da RioCard, empresa responsável pelos bilhetes eletrônicos nos ônibus do Rio de Janeiro. Eles são suspeitos de tentarem obstruir as investigações. A ação faz parte da Operação Ponto Final, que investiga corrupção no sistema de transporte público do Rio de Janeiro.

Por meio de nota, a Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor), que administra a RioCard, informou que continua à disposição das autoridades para prestar esclarecimentos necessários à investigação.

Segundo a Fetranspor, a orientação para todos os funcionários da federação é colaborar e qualquer conduta fora desse padrão será investigada internamente pela Federação. Reiterou ainda que continua à disposição das autoridades para prestar os esclarecimentos necessários à investigação.

Na ação de busca e apreensão de dados dos sistemas de bilhetagem eletrônica e de ressarcimento para as empresas de ônibus, foram visitados endereços da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor) e da RioCard TI, que é a empresa que controla a bilhetagem eletrônica no estado. A ação cumpriu determinação da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, atendendo pedido do Ministério Público Federal.

Os procuradores da República que integram a força-tarefa da Lava Jato no Rio de Janeiro apontaram a existência de indícios de que os denunciados no esquema poderiam ter manipulado não só o sistema de bilhetagem eletrônica, como também as ordens de ressarcimento de valores às empresas que participavam da arrecadação para a “caixinha” da propina da Fetranspor.

De acordo com as provas reunidas pela força-tarefa, a partir desse caixa 2 da propina, 26 empresas de ônibus repassaram dinheiro a políticos e agentes públicos de janeiro de 2013 a fevereiro de 2016, em valor superior a R$ 250,58 milhões. “De acordo com a divisão de tarefas da organização criminosa, cabia a José Carlos Lavouras, como presidente do Conselho de Administração da
Fetranspor, articular os recolhimentos das “contribuições” junto às empresas de ônibus participantes da “caixinha da propina” e repassar as ordens de distribuição de valores ao operador Álvaro Novis”, diz o MPF no pedido apresentado à 7ª Vara Federal Criminal do Rio.

A operação Ponto Final apurou que o ex-governador fluminense Sergio Cabral Filho recebeu do setor de transportes R$ 144,7 milhões, de 2010 a 2016, enquanto o então presidente do Departamento de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro (Detro), Rogério Onofre, recebeu R$ 43,4 milhões.

Os procuradores avaliaram que a recusa da Fetranspor em prestar contas ao Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ) dos valores recebidos do governo em razão dos subsídios ao bilhete único demonstrava falta de transparência na gestão dos recursos públicos. E destacaram que essa recusa foi objeto de ação judicial do estado à época.

Em depoimento à força-tarefa da Lava Jato, o diretor financeiro da Fetranspor, André Nolte, informou que a maior parcela da arrecadação provém do vale-transporte, cujos valores são geridos pela entidade de forma centralizada e, depois, ressarcidos às empresas. A média diária do ressarcimento do vale-transporte é de R$ 18 milhões. A RioCard movimenta cerca de R$ 6 bilhões por ano e a arrecadação anual da Fetranspor com taxas de administração alcança R$ 180 milhões.

* Matéria ampliada às 15h16 para acrescentar informações

Você pode gostar também

Cidades

Alunos da rede estadual podem se inscrever em curso online de mandarim

Os alunos da rede estadual paulista já podem se inscrever no curso do idioma mais falado do mundo. Estão abertas as inscrições para curso online de mandarim para o 2º

Cidades

Chuva em São Paulo causa alagamentos e mata uma mulher

Uma mulher morreu afogada em Guarulhos, na Grande São Paulo, após seu carro ser arrastado pela enchente e cair no Córrego Taboão na noite de ontem (15). Após buscas, o

Cidades

Contra a dengue, Prefeitura realiza limpeza em prédio privado no Jd. Novo Horizonte

Com o objetivo de combater os possíveis criadouros do mosquito transmissor da dengue, Aedes Aegypti, a Prefeitura de Limeira, por meio das equipes do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ),

Deixe seu comentário