PIB cresce 1% no primeiro trimestre após dois anos de queda

PIB cresce 1% no primeiro trimestre após dois anos de queda

Fortemente influenciado pela agropecuária, o Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, cresceu 1% no primeiro trimestre do ano, comparado ao quarto trimestre de 2016, na série livre de influências sazonais. Esta foi a primeira alta na comparação, após dois anos consecutivos de queda.

Os dados foram divulgados hoje (1º), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e indicam, porém, que apesar da alta, o PIB caiu 0,4% quando comparado ao primeiro trimestre do ano passado, enquanto o resultado acumulado dos quatro últimos trimestres terminados agora em março registra queda de 2,3% – portanto, o acumulado dos últimos doze meses, em relação ao período imediatamente anterior.

Os dados evidenciam o forte crescimento da agropecuária, que fechou o primeiro trimestre do ano com alta de 13,4%, uma vez que a indústria teve expansão de 0,9% e o setor de serviços fechou estável entre um período e outro (0,0%).

Segundo o IBGE, em valores correntes, o PIB encerrou o primeiro trimestre do ano em R$ 1,6 trilhão. A taxa de investimento no primeiro trimestre foi de 15,6% do PIB, abaixo da observada no mesmo período do ano anterior (16,8%). A taxa de poupança foi de 15,7% ante 13,9% no mesmo período de 2016.

PIB cai 0,4% em relação ao 1º trimestre

A queda de 0,4% no PIB do primeiro trimestre do ano, quando comparado ao mesmo trimestre de 2016, constitui o décimo segundo resultado negativo consecutivo nesta base de comparação. Na mesma base, o valor adicionado a preços básicos teve variação negativa de 0,3% e os Impostos sobre Produtos Líquidos de Subsídios recuaram 0,8%.

Dentre as atividades que contribuem para a geração do valor adicionado, a agropecuária cresceu 15,2% em relação a igual período de 2016; a indústria sofreu queda de 1,1% e o valor adicionado de serviços caiu 1,7%.

Segundo o IBGE, pelo oitavo trimestre consecutivo “todos os componentes da demanda interna apresentaram resultado negativo na comparação com igual período do ano anterior”.

Mesmo com o crescimento de 1% do PIB no primeiro trimestre deste ano, no mesmo período a Despesa de Consumo das Famílias caiu 1,9%. “Esse resultado pode ser explicado pelo comportamento dos indicadores de crédito e mercado de trabalho ao longo do período”, justificou o IBGE.

PIB anualizado

Mesmo com o crescimento de 1% no primeiro trimestre – comparativamente ao quarto trimestre do ano passado – no resultado acumulado nos quatro trimestres terminados em março último (o PIB anualizado) a economia brasileira recuou 2,3% em relação aos quatro trimestres imediatamente anteriores.

Esta taxa resultou da contração de 2,1% do Valor Adicionado a preços básicos e do recuo de 4,1% nos Impostos sobre Produtos Líquidos de Subsídios. O resultado do Valor Adicionado neste tipo de comparação decorreu dos seguintes desempenhos: agropecuária (0,3%), indústria (-2,4%) e serviços (-2,3%).

PIB em valores de mercado

Em valores de mercado, o Produto Interno Bruto fechou o primeiro trimestre do ano totalizando R$ 1,595 trilhão. Desse total, R$ 1,381 trilhão referem-se ao Valor Adicionado a preços básicos e R$ 213,6 bilhões aos Impostos sobre Produtos Líquidos de Subsídios.

Ainda em valores de mercado, a agropecuária registrou R$ 93,4 bilhões, a indústria R$ 291,1 bilhões e os serviços R$ 996,4 bilhões.

Já entre os componentes da despesa, a Despesa de Consumo das Famílias somou R$ 1,004 trilhão; a Despesa de Consumo do Governo, R$ 307,6 bilhões; e a Formação Bruta de Capital Fixo, R$ 248,6 bilhões.

A taxa de investimento no primeiro trimestre de 2017, ao fechar em 15,6% do PIB, ficou abaixo dos 16,8% observados no mesmo período do ano anterior, enquanto a taxa de poupança foi de 15,7% contra 13,9% do mesmo período em 2016.

Economista explica expansão do PIB
Apesar do crescimento do PIB – 1% no primeiro trimestre deste ano – ainda não é possível afirmar que a recessão acabou. A opinião é da coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis, ao falar hoje, no Rio de Janeiro, sobre o desempenho do Produto Interno Bruto do país nos primeiros três meses do ano.

Para a economista, o crescimento se deu contra uma base bastante deprimida e ainda está muito dependente da agropecuária e da extrativa mineral. “Ainda é cedo e acho razoável esperar um pouco mais. Se você observar, [o crescimento] foi contra uma base comprimida por oito trimestres consecutivos de queda e, se olharmos para longe, veremos que a economia encontra-se no mesmo patamar de 2010”, disse.

Ela destacou a contribuição da agropecuária para a expansão do PIB no primeiro trimestre, que chegou a crescer 13,4% em relação ao último trimestre do ano passado.

“A agropecuária tem um peso de apenas 5,4% na economia, não é nada significativo se levarmos em conta que os serviços, que respondem por mais de 70%, ficaram estagnados [0,0%]. [A agropecuária] contribuiu muito este ano com 15% de aumento no valor adicionado, principalmente em razão da safra recorde. Principalmente a soja, mas também o milho e o arroz – ajudaram na exportação”.

Rebeca destacou ainda a contribuição da extrativa mineral, “que também ajudou com desempenho bom, principalmente o petróleo e o minério de ferro. Que, inclusive, estão com os preços internacionais também mais favoráveis e ajudaram no aumento das exportações”, finalizou.




Você pode gostar também

Nacional

Neste domingo adiante seu relógio em uma hora

Neste domingo (18), os brasileiros deverão adiantar os relógios em uma hora. É o início da temporada 2015/2016 do horário de verão nos estados do Rio Grande do Sul, Paraná,

Nacional

Estudantes podem concorrer a partir de hoje a vagas não preenchidas do Fies

Estão abertas, a partir de hoje (20), as inscrições para concorrer às vagas que não foram preenchidas no processo seletivo do primeiro semestre do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). As

Nacional

IPCA tem deflação de 0,23% em junho, a primeira variação negativa em 11 anos

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial do país, fechou o mês de junho com resultado negativo (deflação) de 0,23%, o primeiro registrado em 11

Deixe seu comentário