Rússia e Estados Unidos estudam efeitos de voos espaciais no corpo humano

A agência espacial Nasa faz testes para avaliar e medir pressão intracraniana, usando a roupa Chibis, da Roscosmos. Foto: Divulgação/Nasa

A agência espacial Nasa faz testes para avaliar e medir pressão intracraniana, usando a roupa Chibis, da Roscosmos. Foto: Divulgação/Nasa


As agências espaciais Roscosmos, da Rússia, e Nasa, dos Estados Unidos, estão estudando, em parceria, os impactos das mudanças no fluxo dos fluidos corporais para a parte superior do corpo durante voos no espaço. Um dos objetivos é explicar como essas alterações afetam a visão. De acordo com informações do site da Nasa, mais de dois terços da tripulação espacial da agência experimentam mudanças oculares na gravidade zero.

A Investigação das mudanças nos fluidos é parte de uma série de pesquisas que está sendo conduzida pelas duas agências desde março deste ano, quando o astronauta americano Scott Kelly e o cosmonauta russo Makhail Komienko foram morar por um ano na Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês), o dobro do tempo habitual neste tipo de viagem.

O objetivo do estudo é ampliar o conhecimento dos efeitos de longos períodos no espaço na saúde dos astronautas e entender como funciona a adaptação. Ao site da Nasa, o pesquisador Michael Stenger declarou que o estudo é complexo e está envolvendo inúmeros institutos de pesquisa e universidades, sendo o maior esforço desse sentido de todos os tempos.

A expectativa é que os resultados ajudem na preparação para a jornada humana a Marte, que está sendo planejada pela Nasa. A viagem para o planeta vermelho pode durar até 30 meses, e estar por tantos meses sem gravidade é um desafio para o corpo humano, por isso o estudo é tão importante.

Os pesquisadores estão fazendo testes para saber se a mudança dos fluidos corporais para a parte superior na gravidade zero explica o aumento da pressão intracranial e a diminuição da capacidade visual dos astronautas nessas circunstâncias. Também está sendo testada a possibilidade de fazer com que os fluidos retornem para a parte inferior do corpo usando uma roupa especial de pressão negativa nos membros inferiores, criada pelos russos.

Os desafios da maior investigação sobre o tema também incluem problemas de logística na Estação Espacial Internacional. Os dois países tiveram que levar grandes equipamentos médicos para a ISS para viabilizar os estudos. O maior problema é que a roupa criada pelos russos, chamada chibis, está grudada no módulo russo da estação, e os equipamentos norte-americanos, também necessários para os testes, estão sendo movidos do módulo oposto.

Segundo a Nasa, a complicação vale a pena, porque os resultados obtidos podem ser revolucionários e beneficiar não somente astronautas como também pacientes na Terra.

Você pode gostar também

Tecnologia

Pesquisa mostra que 58% da população brasileira usam a internet

A 11ª edição da pesquisa TIC Domicílios 2015, que mede a posse, o uso, o acesso e os hábitos da população brasileira em relação às tecnologias de informação e de

Tecnologia

Cobrança de chamadas em aplicativos viola Marco Civil da Internet, diz entidade

A Proteste Associação de Consumidores pediu abertura de inquérito contra empresas de telefonia por eventuais bloqueios nos serviços de chamada de voz em aplicativos como WhatsApp e Viber. A representação

Tecnologia

BB renegocia R$ 1 bilhão em dívidas pela internet

O Banco do Brasil conseguiu renegociar mais de R$ 1 bilhão de dívidas em atraso por meio da internet. Mais de 100 mil clientes, entre empresas e pessoas físicas, fizeram

Deixe seu comentário