Safra de grãos deve crescer 6,3% e fechar com recorde em 2019

Safra de grãos deve crescer 6,3% e fechar com recorde em 2019

A safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas deve fechar 2019 em 240,7 milhões de toneladas, ou seja, 6,3% acima da produção do ano passado. De acordo com a previsão de setembro do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola, divulgada hoje (10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a safra deve ser 0,4% maior do que a estimada na pesquisa de agosto.

Entre os produtos que devem puxar essa alta está o milho, uma das três principais lavouras de grãos do país, cuja produção deve crescer 23,1% de 2018 para 2019.

Outros grãos que deverão ter alta neste ano são o algodão herbáceo (39%), o feijão (2,9%), o sorgo (14,6%) e o trigo (3,1%). Por outro lado, duas das principais lavouras devem fechar o ano em queda: soja (-4,3%) e arroz (-12%).

A área colhida de cereais, leguminosas e oleaginosas foi estimada em 63,1 milhões de hectares, ou seja, 3,5% a mais do que em 2018.

Outros produtos
Além dos grãos, o IBGE estima a produção de outras lavouras importantes, como a cana-de-açúcar, principal produto agrícola do país, que deve fechar o ano com queda de 1,2%, e o café, que deverá ter queda de 16%. Também devem ter quedas o tomate (-2%), a batata-inglesa (-0,3%) e a uva (-11%).

Por outro lado, devem ter alta na safra deste ano a banana (5,1%), a laranja (6,3%) e a mandioca (3,5%).

Você pode gostar também

Limeira

Linhas pós-pagas crescem 13,5% em 12 meses, diz Anatel

O número de linhas pós-pagas no Brasil aumentou 13,5% na comparação entre agosto de 2018 e o mesmo mês do ano passado. Os dados, divulgados hoje (1°) pela Agência Nacional

Limeira

Coordenadores de escolas municipais participam de formação ambiental com especialista da USP

Os coordenadores das escolas municipais de Limeira participaram de uma formação de conteúdo ambiental com a professora e doutora da USP (Universidade de São Paulo) Rosely Lingory Imbernon, que abordou

Limeira

Equador: comissão trabalha com nova proposta para restaurar a paz

Depois de 12 dias de manifestações, o governo equatoriano e o setor indígena chegaram a um acordo para revogar o Decreto 883, que eliminava os subsídios aos combustíveis, motivo dos

Deixe seu comentário