Temer diz que votação de vetos presidenciais ficará para novembro

Eduardo Cunha ajudará a agilizar votação de projetos importantes para o governo, diz Temer.  Arquivo/ABr

Eduardo Cunha ajudará a agilizar votação de projetos importantes para o governo, diz Temer. Arquivo/ABr

O vice-presidente Michel Temer disse hoje (14) que a votação dos vetos presidenciais ficará para novembro. Segundo Temer, a questão foi discutida no almoço desta quarta-feira (14), no Palácio do Jaburu, residência oficial da Vice-Presidência. Participaram do almoço os presidentes da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

Na semana passada, por duas vezes consecutivas, o governo tentou, sem sucesso, conseguir quórum para analisar vetos de Dilma a projetos que aumentam os gastos públicos. “Chegamos à conclusão de que se deve deixar [a votação dos vetos] para o mês que vem”, disse o vice-presidente.

Temer disse que, nessa conversa, ficou decidido que o presidente da Câmara“ajudará a agilizar” a votação de projetos importantes para o governo, como a proposta para Desvinculação das Receitas da União (DRU) até 2023. “A base está sendo organizada”, afirmou o vice-presidente.

Em conversa com jornalistas ao entrar em seu gabinete, no Palácio do Planalto, perguntado sobre o que achava das recentes notícias sobre a possibilidade de assumir o Ministério da Justiça, Temer respondeu: “eu vou ficar vice-presidente”.

Temer disse ainda que não conversou com o presidente da Câmara sobre a decisão do Supremo Tribunal Federal de suspender o rito adotado por Cunha para eventual abertura de processos de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff. “Decisão do Supremo se cumpre”, limitou-se a dizer Temer.

Mais tarde, na noite de hoje, o presidente do Senado, Michel Temer, informou que o dia da sessão de votação dos vetos no Congresso será em 17 de novembro

Você pode gostar também

Política

Dodge diz que vê com preocupação decisão de Toffoli sobre Coaf

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, disse hoje (17) que vê com preocupação a decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, que suspendeu investigações com dados

Política

Supremo mantém Renan Calheiros na presidência do Senado

Por 6 votos a 3, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu hoje (7) manter o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), no cargo. A Corte decidiu derrubar a decisão individual

Política

Escolhido para a Petrobras, Parente diz que não haverá indicações políticas

Indicado para assumir a presidência da Petrobras, o ex-ministro Pedro Parente disse que não haverá indicações políticas na estatal. Em sua primeira entrevista após ser nomeado pelo presidente interino Michel

Deixe seu comentário