Trump diz que “tudo será consertado” com a Coreia do Norte

Trump diz que “tudo será consertado” com a Coreia do Norte

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta terça-feira (7) – ao visitar uma base americana na Coreia do Sul – que “tudo será consertado” a respeito do desafio armamentício colocado pela Coreia do Norte, assunto que marca boa parte da agenda em sua passagem pela Ásia.

“Vamos tratar com os principais generais sobre a situação na Coreia do Norte. Em última instância, tudo será consertado. Sempre se conserta. Tem que se ajeitar”, disse Trump, em Camp Humphreys, onde foi almoçar com as tropas americanas, logo após aterrissar na Base Aérea de Osan. As informações são da agência de notícias EFE.

Quem participou do almoço de surpresa foi o presidente sul-coreano Moon Jae-in, num gesto que procura mostrar a solidez da união Seul-Washington contra o governo de Pyongyang, que se mantém tecnicamente em guerra com os dois aliados há quase 70 anos.

Após o almoço, Trump viajou de helicóptero para Seul e em seguida foi conduzido por um comboio até a Casa Azul (residência presidencial), onde foi recebido com honras de chefe de Estado antes da reunião com Moon.

O deslocamento do comboio do presidente Trump por Seul esteve rodeado por um forte esquema de segurança visando controlar as manifestações a favor e contra sua visita.

Testes de armas

Os integrantes das manifestações discordam da atitude beligerante que Trump adotou contra a Coreia do Norte. Além disso, os seguidos testes de armas do regime de Kim Jong-um aumentaram a tensão para níveis não vistos desde o final da Guerra da Coreia (1950-1953).

Além do desafio norte-coreano, o encontro bilateral também será marcado pelas relações comerciais entre os dois países, que o presidente americano classificou de desigual e pouco vantajoso para seu país.

“Temos uma excelente cooperação (com o presidente Moon). Temos uma excelente reunião sobre comércio previsto com o presidente e seus representantes”, afirmou Trump, antes de partir para Seul.

“Começará a funcionar para que criemos muitos postos de trabalho nos Estados Unidos, que é uma das razões importantes pelas quais estou aqui”, acrescentou Trump, que estará na Coreia do Sul até amanhã, quando parte para a China, seguindo sua excursão pela Ásia.

A pedido de Washington, os dois países começaram a renegociar um Tratado de Livre-Comércio (TLC), após a chegada de Donald Trump à Casa Branca. Ele defende a “América primeiro” na política comercial.

Você pode gostar também

Mundo

Fidel Castro morre em Cuba aos 90 anos de idade

O ex-presidente e líder da revolução cubana, Fidel Castro, morreu anos 90 anos de idade, confirmou na madrugada de hoje (26) seu irmão e sucessor, Raúl Castro. As informações são

Mundo

Asteroide do tamanho de arranha-céu passou perto da Terra, dizem cientistas

O asteroide 2007 MK6, com diâmetro de 200 a 600 metros, passou hoje (15), aproximadamente às 4h (horário do Brasil) a uma distância relativamente pequena da Terra. A informação foi

Mundo

Dois suspeitos de tiroteio na Califórnia são identificados

As autoridades norte-americanas identificaram um homem e uma mulher, mortos durante troca de tiros com a polícia e suspeitos de serem autores do tiroteio que matou 14 pessoas na Califórnia.

Deixe seu comentário