Um trânsito mais inclusivo começa pela educação dos condutores

Nos últimos anos, o debate sobre a acessibilidade vem tomando novas dimensões. Não se trata somente de recepcionar pessoas com deficiência por meio de obras de adaptação e de mobilidade realizadas nos espaços públicos. A inclusão envolve possibilitar a existência plena e com os mesmos recursos disponíveis para toda a sociedade. A começar pelas ferramentas de comunicação. Se a língua materna no Brasil é o português, para um deficiente auditivo, por exemplo, torna-se fundamental o aprendizado da Linguagem Brasileira de Sinais (Libras). Estima-se que há cerca de 10 milhões de brasileiros com deficiência auditiva, dependentes exclusivamente de Libras para se comunicar, segundo dados do IBGE. É por isso que a Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos (Feneis) defende não a inclusão em classes comuns, mas a existência de escolas bilíngues, com salas em que sejam ensinadas a linguagem de sinais e o português escrito.

Porém, como o aprendizado social não se restringe às salas de aula do ensino regular, muitas vezes lições essenciais para a integração completa dos deficientes na sociedade são esquecidas. Tomemos como exemplo o simples fato de aprender a dirigir. A Lei 8.160/1991 pensou em como proteger motoristas surdos ao sugerir que os carros conduzidos por eles levem o Símbolo Internacional de Surdez na parte traseira. Esse símbolo recomendado é uma orelha com um traçado no meio e um fundo que pode ser preto ou azul. O objetivo é alertar os demais condutores que o motorista daquele carro não responderá a eventuais sinais sonoros, como as buzinas, por exemplo, indicando que a opção nesses casos é sinalizar utilizando os faróis. Mas, antes da etapa prática, é preciso observar a formação teórica adequada parar esses motoristas, atentando-se aos estímulos multissensoriais, além de se preocupar com a interação verbal estabelecida com o instrutor. Dessa forma, busca-se adaptar as exigências de conteúdos teóricos e práticos estipuladas pelos órgãos competentes.
Para proporcionar a uma pessoa com deficiência um processo de formação proveitoso e com a mesma qualidade oferecida aos demais alunos, o Detran de São Paulo passou a seguir o Programa de Atenção à Acessibilidade, firmado com a Secretaria Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência. A iniciativa oferece vídeos em que há um intérprete de Libras, que ajuda o condutor a entender como é o processo para se habilitar. Essa foi a primeira entre várias ações que ampliam a oferta de serviços e de materiais voltados ao aprimoramento da experiência desses cidadãos no papel de condutores, que ainda incluem iniciativas de organizações privadas, como a Procondutor.

A empresa, que desenvolve soluções exclusivas para a formação teórica, reciclagem e especialização de condutores, conta com um assistente virtual que orienta os postulantes a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) com deficiência auditiva a percorrer o conteúdo teórico necessário para obter a habilitação. Ao longo das aulas interativas – realizadas em uma plataforma com vídeos, infográficos e simulados –, o assistente virtual insere o público de maneira adaptada, permitindo que eles obtenham amplo aproveitamento do curso. Essa ação é uma forma de valorizar a responsabilidade social das empresas que atuam nesse segmento e atende a uma das exigências da Lei Brasileira de Inclusão, que estende a acessibilidade também para as plataformas em linha, garantindo às pessoas com deficiência acesso às informações disponíveis, conforme as melhores práticas e diretrizes adotadas internacionalmente.

O desafio da inclusão é uma nova fronteira na busca por uma sociedade mais igualitária e humana. Essa perspectiva leva em conta os espaços, os ambientes e os recursos que devem ser acessíveis para todos os cidadãos, proporcionando oportunidades iguais. No caso específico da educação para o trânsito, a acessibilidade dos materiais pedagógicos cria condições que asseguram a participação de pessoas com deficiência nessa importante etapa para a obtenção da CNH. Vivemos um tempo de transformação de referências e, no caso dos Centros de Formação de Condutores (CFCs), é preciso que estejam preparados para atender toda a comunidade.

Escrito por Claudia Moraes, diretora de produtos da Procondutor

Você pode gostar também

Opinião

Liderança feminina e a Síndrome de Rapunzel

A solidão na liderança não é algo novo. Na verdade, a necessidade de estar só é inerente ao ser-humano. Não é incomum o isolamento em momentos de dificuldade e que

Opinião

Trump, por Célio Pezza

A eleição americana deste ano não foi só uma simples eleição que temos a cada quatro anos. Ela foi uma encruzilhada na história dos Estados Unidos. Existe uma estrutura de

Opinião

Espaços verdes nas cidades

Em ano de eleição, muito se fala nas questões que preocupam os cidadãos e eleitores, como a saúde, educação, transporte, entre outras. Figuram entre elas, cada dia mais as questões

Deixe seu comentário