Vamos falar sobre paradigmas?

Ai, mas o que vem a ser paradigma, afinal? Paradigmas, grosso modo, podem ser entendidos como exemplo, modelo, norma ou ainda regra que seguimos.
Dizemos-nos tão modernos, tão nobres, tão antenados com o século XXI, mas será que nos comportamos de forma condizente com o que pensamos?

Vamos refletir …
Quais os valores passamos aos nossos filhos? Sabe aquelas frases “brincadeira” que soltamos, por exemplo: “Prenda sua cabra que o meu bode está solto”, ou ainda “Saia vestida com essa saia curta e nunca vai arrumar um marido, está indecente!”. Pensemos ainda nos presentes que damos aos nossos filhos e filhas: para ela damos bonecas, panelinhas, ferros de passar roupas, liquidificadores, para eles damos sabre de luz pra salvar o mundo, patins, bicicletas, homens de ferro, super-heróis… Que mensagem passamos?

Aí escutamos: Marido espanca mulher até manda-la para o hospital. Motivo: traição. E escutamos, muitas vezes: “Mas foi trair o cara, gente?
Mereceu! Na hora de trair estava bom, né?” Como assim? Traiu, errou e merece apanhar? Foi isso mesmo que permitimos que fosse dito?
Vemos nas notícias dos jornais e telejornais trechos de uma carta que um ex-marido que matou a ex-mulher, filho, familiares e amigos da mesma, justificando seu ato, em virtude da separação, da guarda do filho, da lei Maria da Penha, mas em momento algum discute-se o teor desta carta, ela apenas nos é apresentada. Que mensagem fica?

Somos tão modernos, mas tão modernos e tão evoluídos que achamos horrível uma mulher acima do peso de biquíni na praia ou piscina…
nem notamos o homem barrigudo de sunga ao seu lado… somos evoluídos, mas dizemos: “Você soube que o filho da fulana, parece que é gay? Áh que judiação, né? Menino tão bonito” (?!)

Muitas vezes nos pegamos nas rodinhas de conversas escutando e nos calando (lembrando que quem cala, consente): “Áh, coitado do fulano, se separou. A mulher não queria saber de cozinhar, lavar, passar… Ele tinha que ajudar em tudo.” (detalhe: a mulher em questão trabalha 8h por dia em algum lugar também)…

Vamos começar um ano novo, revendo nossos paradigmas, nossos pré-conceitos, nossos julgamentos. Amemos mais! Busquemos o entendimento e a compreensão, antes do julgamento e da crítica e não aceitemos, de forma alguma qualquer tipo de agressão, sob quaisquer que forem os pretextos pra tal ato…Sempre é não justificável!

Queremos um ano melhor? E que tal sermos melhores para o ano o ser também?

“Uma criatividade que surge a partir de uma consciência desperta para criar um novo paradigma: um mundo novo.” Miriam Subirana

Você pode gostar também

Sophia Rodovalho

O advento da Internet e das redes sociais nos ajudou a evoluir quanto?

A internet e as redes sociais são ferramentas maravilhosas a nos unir, nos juntar com pessoas distantes, facilitar nossa comunicação, agilizar prazos e baratear o contato e aumentar o convívio.

Sophia Rodovalho

Perguntar ofende sim!

Aquela velha frase “Perguntar não ofende” vem se tornando uma espécie de mantra da atualidade. Há uns anos atrás ainda nos perguntávamos se deveríamos mesmo fazer tal pergunta, se havia

Sophia Rodovalho

E as aulas estão voltando!!!

O retorno às aulas traz normalmente uma mistura de sentimentos para pais e alunos. Os pais mostram-se felizes e ‘aliviados’ com a retomada da rotina normal, com os estudos, com

Deixe seu comentário