Coronavírus: Reino Unido anuncia investimento bilionário em vacinas

Coronavírus: Reino Unido anuncia investimento bilionário em vacinas

O governo britânico vai investir mais R$1,5 bilhão em pesquisa e produção de vacinas para o combate ao novo coronavírus. O investimento em pesquisas será direcionado aos dois centros que são os candidatos mais avançados à descoberta da vacina no Reino Unido.

Os recursos estão divididos em R$ 588 milhões em apoio à pesquisa para a Universidade de Oxford e o Imperial College of London, que já têm vacinas candidatas em estágio de testes em seres humanos.

Outros R$ 651 milhões serão destinados para a implementação do Centro de Inovação e Produção de Vacinas (VMIC, na sigla em inglês), que pode começar a produzir vacinas em massa no segundo semestre de 2021. Além disso, outros R$ 266 milhões serão destinados para uma fábrica de implementação rápida, capaz de produção massiva de vacinas já no segundo semestre de 2020, até a inauguração do Centro.

A Universidade de Oxford, que deverá receber 65,5 milhões de libras, concluiu recentemente um acordo de licenciamento global com a farmacêutica britânica AstraZeneca, para comercialização e produção de uma possível vacina. Isso significa que, caso a vacina de Oxford seja bem-sucedida, a AstraZeneca deve disponibilizar até 30 milhões de doses para os britânicos até setembro de 2020. Além disso, o Imperial College of London receberá 18,5 milhões de libras para pesquisas, aumentando as chances de sucesso na busca por uma vacina para covid-19.

De acordo com governo britânico, o Reino Unido está se preparando para produção em massa da vacina, assim que ela estiver disponível. Para isso, será inaugurado no segundo semestre de 2021 o Centro de Inovação e Produção de Vacinas.

O investimento anunciado vai antecipar em 12 meses a inauguração da instalação, antes prevista para 2022. Até o momento, os setores público e privado do Reino Unido acumulam 201 milhões de libras para construir este centro, que ficará baseado no Harwell Science and Innovation Campus, na cidade de Oxfordshire.

A fábrica, que já está em construção, é um componente fundamental no programa britânico para a vacina do novo coronavírus e para garantir que, assim que estiver disponível, ela possa ser produzida rapidamente e em quantidades massivas. O VMIC também vai ser usado para produzir vacinas para outras doenças, como o vírus da gripe.

Previous Com pandemia, 76% do setor industrial reduziu produção
Next Para aumentar isolamento, Doria quer antecipar feriado de 9 de julho

You might also like

Mundo

EUA: Senado derrota tentativa de barrar transferências a polícias

O Senado dos Estados Unidos (EUA) derrotou nessa terça-feira (21) uma tentativa de impedir a transferência de gás lacrimogêneo, veículos blindados e outros armamentos dos militares para polícias locais, apesar

Mundo

Uso generalizado de máscaras pode prevenir segunda onda de covid-19

O uso generalizado de máscaras poderia manter a transmissão da covid-19 em níveis controláveis de epidemias nacionais, além de prevenir ondas futuras da doença, se combinadas com lockdowns. É o

Mundo

Fiocruz vai testar eficácia da vacina contra tuberculose para covid-19

A partir de outubro, a Fundação Oswaldo Cruz inicia um teste com 3 mil profissionais da saúde de Mato Grosso do Sul e do Rio de Janeiro com a vacina

Mundo

Japão quer começar a vacinar contra coronavírus no 1º semestre de 2021

O Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar Social do Japão elaborou um plano para tornar mais rápido o processo até que vacinas contra o novo coronavírus possam ser usadas na

Mundo

Economia da França vai recuar 8% este ano, diz ministro

O governo francês descartou hoje (14) suas perspectivas econômicas de dias atrás depois que o presidente Emmanuel Macron prorrogou um bloqueio nacional, fechando parte da segunda maior economia da zona

Mundo

Índia ultrapassa 50 mil mortes desde o início da pandemia

A Índia ultrapassou hoje (17) as 50 mil mortes provocadas pelo novo coronavírus desde o início da pandemia, depois de mais 900 óbitos registrados nas últimas 24 horas, segundo dados